Arquivo do autor:Giseli Rodrigues

Meia palavra basta?

Eu gosto muito dos ditados populares. Eles fazem parte da nossa cultura, da nossa tradição e transmitem a sabedoria popular. Eu utilizo com frequência os ditados que ouvi na infância e acredito que muitas pessoas também se apropriem deles para advertir, aconselhar, pontuar uma colocação. Mas às vezes repetimos frases que nos foram ditas sem refletir, de maneira automática e mecânica.

Esta semana, depois de ouvir “para bom entendedor, meia palavra basta”, eu me vi refletindo sobre o ditado que já reproduzi inúmeras vezes. Meia palavra basta mesmo? Será que quem diz que entende realmente entendeu? Por que esperar que o outro compreenda sem darmos todas as explicações? Deixar de falar com clareza não é correr o risco de ser interpretado de maneira equivocada?

Compreendo que precisamos prestar atenção no outro, tentar entender o que as palavras não são capazes de explicar, perceber que há algo estranho ou diferente e procurar saber o que é. A observação é valiosa para a manutenção dos relacionamentos. Faz com que a gente se conecte ao outro e nos ajuda a perceber as suas emoções.

Por outro lado, principalmente quando se trata de relacionamento amoroso, não é justo deixar que o outro adivinhe o que sentimos e se passa na nossa mente. A ideia do amor romântico nos leva a crer que quem ama tudo entende, que os apaixonados conversam no olhar e que não há necessidade de explicar os sentimentos. Mas eu vos digo: há.

Eu, que prefiro escrever a falar, sei o quanto é difícil colocar as emoções, traduzir os sentimentos em palavras e falar abertamente o que acha, pensa ou quer da relação. Com o passar do tempo, no entanto, aprendi que não podemos transferir a responsabilidade emocional para o outro desejando que tudo seja compreendido sem que seja explicado.

Converse. Exponha suas emoções, revele suas expectativas, deixe claro o que deseja. Não fique esperando que o outro interprete o que você quer. Fale todas as frases, com todas as letras. Inteirinhas.  A comunicação, tão negligenciada, é muito importante para a construção de um vínculo saudável e duradouro.

Meia palavra não basta não. Se houve alguma situação inconveniente e você não deseja discutir naquele momento, tudo bem. Mas volte ao assunto depois, esclareça seu ponto de vista, ouça. Se já é difícil compreender e ser compreendido usando palavras inteiras, imagina quando as deixamos pela metade.

linhaassinatura_GISELI

 

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , ,

Amar dá trabalho

Em tempos cada vez mais acelerados, onde ninguém tem tempo para nada – nem para si mesmo – amar dá (muito!) trabalho, pois, antes de qualquer coisa, demanda o que há de mais escasso em nossa vida: o nosso tempo. É preciso ter tempo para construir vínculos, estreitar relações e se dedicar a alguém.

Amar é, sem dúvida alguma, uma das tarefas mais significativas, importantes e prazerosas que o ser humano já inventou. Mas não é fácil, nem simples, nem instantâneo. Tanto assim que muitas mulheres, quando grávidas, não passam a amar o feto assim que veem o resultado positivo no exame. Passam a amar com o tempo.

Não quero, no entanto, falar das relações entre pais e filhos. Mas sim de amor entre homem e mulher. Ou entre dois homens. Ou duas mulheres. Não importa. Quero falar de relação amorosa. Amar alguém é uma escolha. É escolher doar nosso tempo, nossa energia, nossa vontade a uma pessoa e não a qualquer outra coisa.

Se cada escolha é uma renúncia, ao escolher estar com alguém optamos por abrir mão de alguma coisa. E essa é a magia do amor: “é querer estar preso por vontade”, como nos versos de Camões. E, embora muitos digam que estão dispostos a viver uma relação duradoura, poucos se disponibilizam a construir vínculos como o amor merece.

Amar é não ter controle. É viver as alegrias, os desafios e as incertezas da relação com o coração aberto e a certeza de que amar é viver e sentir. E se dedicar, diariamente, a uma relação que você deseja que dure. Por todo sempre. Mesmo que não tenha domínio sobre o relacionamento, você faz sua parte para que todo dia seja um novo sim.

Não tenha medo de se apaixonar, se envolver e construir um relacionamento. Vai dar trabalho, vai te preocupar, vai consumir seu tempo, vai te impedir de se dedicar a outra coisa. Mas, certamente, será uma das melhores coisas da sua vida, pois amar é a melhor coisa deste mundo.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , ,

A relação não está garantida

Histórias sobre relações amorosas sempre despertam minha atenção. E, talvez por isso, atraio quem queira falar das suas experiências – ou relatar a dos outros. Hoje mesmo, enquanto participava de um churrasco, uma convidada falou que sua irmã se separou recentemente. Depois de vinte e cinco anos de casada. “Ela não estava aguentando mais”, ela disse.

Falou que a irmã está se cuidando mais, passou a correr, está mais vaidosa, voltou a estudar, melhorou a relação com o filho. Contou que depois que tudo se ajeitou ela está mais feliz, confiante e disposta. Pegou o celular e mostrou uma foto no Instagram “olha como ela está bonita!” e realmente estava.

Vinte cinco anos de casados. Uma vida. E me peguei refletindo no quanto as pessoas investem em suas relações amorosas, o quanto cedem, aprendem, discutem, conversam, chegam a acordos, mudam de ideia, pedem desculpas, perdoam. Vinte cinco anos não são vinte e cinco dias. Imagino que não chegaram a decisão de romper a parceria da noite para o dia.

Mas eu sei que muitas relações terminam antes de terem terminado formalmente. Casais que vivem sob o mesmo teto, mas não conversam, não têm momentos a dois, não compartilham suas ideias e opiniões, não se interessam pela vida do parceiro, não vibram com as conquistas do outro. Ou nem sabem o que o companheiro faz.

O casal precisa se sentir vivo dentro da relação. Mas a rotina e as obrigações cotidianas fazem com que as pessoas deixem de prestar atenção no companheiro, não observem as mudanças, não façam surpresas nem encontrem um momento para sair a dois. Principalmente numa relação longa é fundamental que haja esforços para se conectar com o outro.

Certamente nem toda relação irá durar até que a morte os separe. Ainda bem. Ninguém é obrigado a ficar em uma relação que faz mal, que tira sua paz ou que não há amor. Mas estou tentando dizer que, independente do tempo que o casal está junto, nada está garantido. O jogo nunca está ganho. E você, sozinho, não garantirá o futuro da relação.

Para estar casado é preciso que os dois digam sim todos os dias. Que ambos escolham um ao outro. Que ambos queiram compartilhar. Que ambos tenham interesse em conquistar a mesma pessoa repetidas vezes.

Não há garantias em uma relação amorosa. Mas acreditar que ela será eterna sem fazer nada para que seja é o primeiro passo para que ela se acabe muito antes do que se imaginava. Então reafirme seu sentimento. Demonstre. Esteja presente com toda alma e coração.

Conquiste quem você ama todos os dias.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,

Goste de quem gosta de você

Depois de ouvir mais uma daquelas histórias de amor mal resolvido, em que a pessoa fica entre idas e vindas com o amado, eu fiquei me perguntando: por que algumas pessoas insistem em se relacionar com quem já demonstrou que não gosta delas? Será que não percebem? Ou desejam mudar o sentimento do outro?

A pessoa se envolve com quem é comprometido, acredita que a mulher do cara é doente, que ele não termina por causa dos filhos, que não tem tesão nenhum pela mulher, que vai chegar o dia em que ele terminará seu compromisso para eles ficarem juntos e felizes. Conheço uma mulher que esperou sete anos. Em vão, claro.

Conheço mulheres que se apaixonaram por homens que não queriam compromisso, alegando que não era o momento certo, o famoso “o problema não é você, sou eu”, mas assumiram compromisso, não com elas, tempo depois. Ou seja: o problema não era o momento, era a falta de amor mesmo. Não queriam compromisso com elas.

Mas ainda tem pior: algumas mulheres ainda continuaram ficando com esses homens. Algumas depois que o relacionamento deles terminam. Outras mesmo quando eles ainda estavam comprometidos com as mulheres por quem elas foram “trocadas”. Ficaram à disposição, como um produto na estante, para satisfazer o capricho e os desejos do outro. Acima dos seus.

Eu acho errado jurar amor quando não se ama, prometer o mundo para ter uma noite de sexo, fingir interesse se não deseja levar o relacionamento adiante, conquistar alguém por capricho, iludir alguém. Mas pessoas antiéticas, mentirosas e egoístas existem. Estão por aí espalhadas pelo mundo e não agiriam de maneira correta quando o assunto é relação amorosa.

Também entendo que é difícil tomar decisões conscientes quando se trata de paixão e compreendo quem, em algum momento da vida, age de maneira descompensada, desequilibrada e impulsiva na esperança de demonstrar amor e querer estar junto. Liga insistentemente, manda flores, coloca carro de som, dá presentes, escreve cartas, bate na porta do outro de madrugada. Mas para algumas pessoas esses comportamentos viram rotina e duram anos.

Quando o amor é recíproco ele não é difícil, não causa mal nem leva anos para se solidificar. Ninguém muda de ideia – e passa a amar – depois de insistência. Infelizmente. E as pessoas ficam ali, estagnadas, sem levar outro amor adiante na esperança de que aquele, enfim, um dia irá virar sua alma gêmea.

Não existiriam belas músicas de amor se todos os relacionamentos fossem correspondidos, perfeitos e felizes. Nem tão belas poesias, livros e filmes. A dor de amor está aí, em toda parte. Mas ela precisa ter fim.

Se você chora mais do que sorri, dá mais do que recebe e só se prejudica nessa relação, repense. Goste mais de você do que do outro, porque você é a única pessoa que ficará do seu lado até o fim.

E ouça Caetano. Aprenda a gostar de quem gosta de você.

“Agora não vou mais chorar
Cansei de esperar
De esperar enfim
E pra começar
Eu só vou gostar
De quem gosta de mim”

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , ,

“Quando você for mãe vai aprender o que é o amor”

Inicio dizendo que: sou mãe e amo meu filho. Aliás, ele é uma pessoa incrível e às vezes sinto um orgulho enorme pela pessoa que se tornou. Como mulher e mãe, no entanto, fico incomodada com frases que ouço sobre maternidade e considero equivocadas.

“Quando você for mãe vai aprender o que é amor” é uma delas. O amor que sentimos por um filho é enorme, sim. Mas a gente ama tanta gente ao longo da vida. Os pais, os irmãos, os amigos. Filho é mais uma maneira de amar. Não substitui nenhuma delas. Se a pessoa nunca amou ninguém antes da chegada de um filho ela tem problema.

Também fico bastante desconfortável quando alguém diz: “se ela tivesse filho não teria agido dessa forma”. Existe tanta mulher que é mãe e nem por isso deixa de ser escrota! De onde tiram a ideia de que se uma mulher tivesse filho teria tomado uma atitude mais altruísta diante de determinada situação?

Aliás vejo muitas mulheres mães que não se solidarizam com outras igualmente mães. E, pior do que isso, algumas são ruins com os próprios filhos. Ou seja: existem pessoas boas e más, com filhos ou sem. Um filho não vai tornar ninguém bom. Maternidade não é atestado de bondade nem de santidade.

A ideia de que a maternidade é solução para tudo, uma dádiva e torna as mulheres melhores me incomoda muito. Certamente a maternidade ensina muita coisa. É uma experiência revolucionária e arrebatadora. É um aprendizado constante. Que não se esgota nem mesmo quando o filho se torna adulto ou sai de casa.

“Você seria muito mais feliz se tivesse filhos” também me dói o coração toda vez que ouço alguém falando. Por razões bem simples: coloca a felicidade na responsabilidade de quem nem nasceu (ou nem vai nascer!) e coloca quem não tem filhos como uma pessoa incompleta.

Por favor, parem de repetir frases como essas e tantas outras. Não somos melhores do que ninguém por sermos mães. Ninguém é obrigado a viver a maternidade para ser melhor. Mulheres com filhos não têm poderes sobrenaturais nem são especiais. E não sabem mais sobre amor do que outras.

O amor está pelo mundo sob diferentes formas. Filho é só mais uma delas. Não é preciso competir com outras mulheres, olhar com superioridade quem não tem filho e se sentir mais poderosa. Ame o seu filho e todos os seus amores sem julgar menor ou menos importante o amor dos outros. Porque amor é amor.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , ,
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: