Arquivo da tag: briga de casal

Discuta sem ferir

Diferente do que muitas pessoas pensam, não é a inexistência de conflitos e discussões que caracteriza uma relação feliz e saudável. Casais felizes não leem as mentes em do outro e não concordam em tudo, na maioria das vezes discutem para encontrar soluções que agradem a ambos e satisfaçam os anseios da relação.

Se todo mundo briga, o que difere os casais felizes dos infelizes? Os felizes não brigam a toda hora, não transformam tudo em motivo de discussão, não se agridem e não desrespeitam o companheiro. Mostram insatisfação sem humilhar e desprezar.

É importante expor os sentimentos, mostrar o que desagrada, falar de maneira clara sobre as insatisfações, mas não adianta fazer isso de qualquer maneira acreditando que depois tudo voltará a ser como antes. Não será. Palavras violentas, desrespeitosas e humilhantes também deixam marcas e, pouco a pouco, acabam com a relação.

Ninguém espera que na hora da raiva o outro faça juras de amor e use apelidos fofos, mas também não é admissível que jogue coisas para o alto, grite, agrida física e emocionalmente. Amar exige controle emocional, sabedoria e a certeza de que dos seus atos resulta a felicidade da relação. Se um relacionamento é a dois, é a dois que ele precisa ser construído.

Ouça o que o companheiro tem a dizer, procure se colocar no lugar do outro. Se não estiver em condições de discutir, acha que perderá a calma, peça para continuar a conversa depois. Mas volte a conversa. Não deixe situações pendentes. Por meio das discussões, divergências e conflitos temos a oportunidade de conhecer melhor um ao outro e encontrar soluções benéficas para ambos.

Não adianta achar que encontrou a alma gêmea e vão concordar em tudo. Não vão. As pessoas são diferentes umas das outras e vão mudando com o passar do tempo. Casais que nunca discutem não conhecem um ao outro verdadeiramente, pois não se revelam de maneira genuína. Aceitam tudo para agradar e, cedo ou tarde, não conseguirão suportar a dor de esconder o que sentem de si mesmos.

Ao entender que uma discussão não é uma disputa e dá a oportunidade de conhecer um ao outro, os conflitos passam a ser encarados de maneira positiva e madura. E isso faz com que os relacionamentos durem bastante, sejam saudáveis e felizes, porque ora um cede, ora outro. As conversas chegam a algum lugar – ainda que não exatamente onde um deles queria – e os dois pensam na felicidade um do outro.

É na hora da briga que o amor precisa ser demonstrado de maneira mais efetiva e clara. Colocando-se no lugar do outro, respeitando os sentimentos alheios, evitando julgar, parando de fazer acusações e renunciando, de uma vez por todas, o desejo de ganhar. Quando há um casal só há vitória se vencem os dois. Até numa briga.

linhaassinatura_GISELI

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

Infidelidade. A culpa é de quem?

Todos nós conhecemos alguma história de traição. Ou já vivenciamos uma. Todo dia mais uma história se revela. Numa revista feminina, num papo de salão de beleza, num almoço entre amigas, numa conversa familiar. Gente próxima e gente que você nem conhece sendo traída. Ao que parece, trair, enganar e mentir, infelizmente, fazem parte da vida desde que o mundo é mundo.

O que leva alguém a trair? Para viver experiências novas? Satisfazer o ego? Por que enjoou do parceiro(a)? Desejo de experiências sexuais? Verificar se ainda consegue conquistar alguém? Sentir o frisson de uma nova paixão? Não ama mais o companheiro(a) e não tem coragem de dizer? Cansou da rotina do relacionamento?

Nunca teremos respostas concretas sobre infidelidade, porque de tudo que li e já ouvi sobre o tema, algumas pessoas são, em sua essência, infiéis. Mentem com frieza e estão sempre em novos relacionamentos extraconjugais enquanto outras simplesmente se deixam envolver e sentem culpa depois. Não que a culpa amenize alguma coisa, mas há quem não ache errado enganar quem o ama.

Traição é uma escolha. Ninguém é obrigado a contratar um profissional do sexo ou se envolver com alguém do trabalho, por exemplo. As pessoas fazem essas escolhas, conscientemente, todos os dias. O problema é que os traídos vão ter que dar conta disso depois, embora não tenham tomado decisão nenhuma. O que fazer ao descobrir uma traição? Aceitar? Perdoar? Pagar na mesma moeda? Também não há respostas. Cada um vai escolher a opção que lhe convém. E não temos nada com isso, afinal.

O problema é que mesmo não tendo nada com a vida alheia, a tentação de se meter na vida dos outros é tão velha quanto a traição. As pessoas se metem sem terem sido chamadas. E, dia desses, li um post de uma dessas pessoas. Dizia, não lembro com quais palavras, que era engraçado ver a foto de casais, em que um deles se declarava, sabendo que a pessoa estava sendo traída.

Eu, sinceramente, não acho nada engraçado. A pessoa está ali apaixonada, faz de tudo pelo seu relacionamento, acredita que a fidelidade é recíproca e está sendo traída. Se bobear a amante ainda faz parte do perfil do companheiro e ri, acha graça e debocha. Como se fosse muito esperta e a outra idiota. Mas o que há de errado em confiar em quem se ama?

Então a minha crônica de hoje é para dizer que as pessoas traídas não são culpadas pelas mentiras que contam para elas, não são burras por acreditarem em seus companheiros, não são a causa, razão e motivo para que o companheiro(a) busca relações extraconjugais. A infidelidade é uma escolha que só denota a fraqueza de quem não consegue assumir de maneira verdadeira o relacionamento que tem.

Para terminar, você tem direito de rir de alguém que está sendo traído, fazer piada, ridicularizar. Mas não esqueça que um dia pode vir a ser motivo de piada também.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , , ,

Relações violentas

Recentemente me colocaram em um grupo, no facebook, sobre relacionamentos abusivos. Um grupo com milhares de mulheres e uma série de conteúdo sobre violência contra a mulher e, sobretudo, relatos sobre relacionamentos abusivos. Muitas mulheres pedem ajuda para analisar o modo como são tratadas e identificar se os seus companheiros são abusivos ou não.

Por que estou escrevendo sobre isso? Porque muitas vezes ouvimos que algumas mulheres gostam de apanhar, gostam de ser “mulher de malandro”, estão em relacionamentos violentos e abusivos porque querem e escolheram. Mas, dentro de uma relação doentia, muitas pessoas perdem o seu referencial, têm dúvidas se estão sendo respeitadas ou não, algumas vezes não viveram outras experiências e nem sabem como funciona uma parceria saudável.

Estou certa de que nenhuma mulher gosta de ser agredida, humilhada, destratada, insultada, traída, ameaçada, amedrontada. Nenhuma. Mas algumas nunca chegaram a conhecer o que é amor, nem mesmo dentro de suas próprias famílias. Outras se apaixonaram por homens que, inicialmente, eram amorosos, e aos poucos apresentaram suas faces manipuladoras, abusivas e violentas.

Pessoas são universos complexos e os motivos que as levam a continuar em relações que fazem mal são mais difíceis de julgar do que podemos imaginar. São inúmeros os motivos. Algumas mulheres não têm para onde voltar, dependem de seus companheiros financeiramente, suas famílias não as aceitam de volta, têm filhos e acreditam que uma separação será dolorosa demais para as crianças, acreditam que são culpadas pelas agressões que sofrem, acham que merecem passar por todo o sofrimento que vivem, pensam que o companheiro irá mudar e que elas são responsáveis pelo comportamento deles.

Cada pessoa tem a sua história. Que não nos cabe julgar. Aliás, todo o julgamento que temos feito ao longo do tempo, colocando nossos dedos em riste para afirmar que cada um tem o relacionamento que merece e sofre porque escolheu, afasta ainda mais a possibilidade dessas mulheres falarem abertamente sobre seus sofrimentos e procurar ajuda.

Então, toda vez que sentir vontade de julgar uma mulher que sofre – ou sofreu – qualquer tipo de agressão por parte do companheiro e comentar “como ela continua essa relação?”, “merece passar por tudo isso mesmo”, “como ela ainda corre atrás dele?”, “voltou para ele porque gosta de sofrer”, faça o exercício de se colocar no lugar do outro. Eu sei que é difícil, mas procure entender que tomar a decisão de se livrar de algo que faz mal também é doloroso – principalmente quando a violência é tanta que a pessoa envolvida nem sabe mais como é viver em paz.

Sobre violência é bom ressaltar que nem toda agressão é física. Se a pessoa com quem você se relaciona te ameaça, te impede de falar com os amigos, te isola, diz que você é incapaz de atingir seus objetivos, pede suas senhas, vigia o que você faz, te persegue, obriga a fazer sexo, se recusa a usar preservativo, retém seu dinheiro, não te deixa estudar ou trabalhar, lamento dizer: esse é um relacionamento abusivo.

O amor precisa fazer bem. Não pode deixar cicatrizes no corpo nem na alma.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,

Terminar numa boa. Existe isso?

Histórias de relações que chegam ao fim sempre me entristecem. Romântica incorrigível, queria eu que todos os amores vivessem felizes para sempre, como nos contos de fadas infantis. Mas na vida real as coisas são bem diferentes e, vez ou outra, o que era para ser “felizes para sempre” se transforma em “que seja infinito enquanto dure”.

Certamente defendo que as pessoas terminem relações abusivas ou terminem com seus parceiros quando as coisas não vão bem. A paixão acabou, o tesão acabou, os planos em comum mudaram, a pessoa se transformou em alguém que não se encaixa mais em seu projeto de vida. Relações chegam ao fim por motivos diversos.

O problema é geralmente a relação já não faz mais sentido para uma pessoa, enquanto a outra continua apaixonada. O fim não chega ao mesmo tempo para ambos. Ou pelo menos é dessa maneira que eu percebo os términos, principalmente de longos relacionamentos. E por isso mesmo não fico muito conformada quando alguém afirma que “terminaram numa boa”. Numa boa para quem?

Eu acredito que nenhum relacionamento termine numa boa. E não cito aqui relações doentias em que há violência, ameaça, perseguição. Estou falando apenas de relacionamentos cujo um dos parceiros teve a honestidade de falar que não estava mais satisfeito, tem outros planos para sua vida, deseja seguir a vida sem o companheiro.

Mesmo quem decide terminar um relacionamento não fica bem. Se a pessoa não é irresponsável, egocêntrica e narcisista, ela sofre ao saber que o outro irá sofrer. Se preocupa com o impacto dessa decisão da vida do outro. Sem dúvida alguma quem decide sair da relação fica melhor do que aquele que até então acreditava que as coisas iam bem. Mas dificilmente fica feliz.

Términos abalam as vidas das pessoas envolvidas. Inclusive dos filhos, caso existam. Dos familiares. Dos amigos. Quando as pessoas namoram e simplesmente viram as costas pode ser dolorido, mas quando as pessoas moram juntas, constituem família, constroem uma vida juntos o sofrimento é maior.

Se você quer terminar o relacionamento com alguém, não pode evitar o sofrimento do outro. Mas pode ser honesto e verdadeiro sobre os seus sentimentos e conversar abertamente. Se terminaram com você, tenha certeza que a dor vai passar, você vai refazer a sua rotina e logo você vai encontrar motivos para sorrir novamente – e ainda se apaixonará novamente por mais que agora jure que não.

O importante é lembrar que o sofrimento faz parte da vida. Mas não dura para sempre. Uma hora ou outra as coisas se ajeitam e a dor que parecia infinita acaba.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , ,

Não fale mal do seu companheiro

Quanto mais longo é o relacionamento afetivo, maior a probabilidade das pessoas reconhecerem os erros do parceiro. A convivência faz com que detalhes que antes passavam despercebidos sejam escancarados e, além disso, as pessoas mudam com o passar dos anos, adotando comportamentos que desaprovamos. Mas, sabemos, mesmo os casais felizes não estão satisfeitos o tempo todo. Eles se irritam, se desgastam, se queixam, discutem, criticam.

Relacionamento feliz não é sinônimo de uma convivência perfeita e longe de divergências, afinal cada um tem uma maneira de pensar e se comportar. Mas isso não justifica falar mal do parceiro e do seu comportamento para todo mundo, ou ridicularizá-lo em público. Isso é desrespeitoso, grosseiro, mal-educado e, para piorar, ainda pode trazer consequências desastrosas para o casal.

Quem ficaria feliz sabendo que a pessoa com quem convive costuma falar mal dela, expor os problemas familiares e apontar seus defeitos publicamente? Desconfio que ninguém. E isso pode trazer mais aborrecimento e desarmonia para a vida a dois. Portanto, não fale mal do seu companheiro.

Qualquer pessoa que valoriza a sua relação deve reconhecer que há limites para as manifestações públicas de desagrado. Fazer piadas, ridicularizar o outro, apontar seus defeitos, seja nas redes sociais, numa roda de amigos ou em reuniões familiares, além de não resolver os problemas, demonstra que falta cuidado e respeito pelo outro.

Ao escolher viver ao lado de alguém estamos cientes de que a pessoa tem muitas características admiráveis – que inclusive fizeram com que escolhêssemos estar ao seu lado – e defeitos com os quais teríamos que lidar. E, principalmente, que é preciso diálogo, compreensão e amor para ajustar as arestas durante o caminho.

É compreensível que com o passar do tempo as pessoas demonstrem ser diferentes do que eram no início da relação. Mas, ao invés de falar mal do parceiro e expor o que se passa na intimidade do casal, o correto é falar para o outro o que considera errado e expor sua insatisfação abertamente, porque continuar ao lado de alguém é uma decisão.

Esqueça o hábito de falar mal do outro e fale para o outro. Ficar reclamando não resolve o problema amoroso de ninguém, só traz mais desarmonia.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: