Arquivo da tag: Casamento

Como foi o seu dia?

Conversas a dois nem sempre vão acontecer diante de paisagens paradisíacas, com uma taça de vinho na mão, durante uma viagem. E também não dá para deixar passar os acontecimentos do dia a dia, esperando um clima, um momento ou um a hora ideal para saber como o parceiro está. Sempre é hora de demonstrar interesse genuíno pela vida do outro. E é isso que torna qualquer relacionamento mais forte.

É claro que nem todos os dias estamos animados, prontos para contar detalhes, querendo falar de cada situação vivida. Mas ter alguém que pergunte “como você está? Como foi o seu dia? Quais as novidades?’ não deixa qualquer pessoa mais segura, confiante e certa de que é querida? O amor está nas pequenas coisas, nas demonstrações simples de afeto, num pouco de atenção dispensada entre um compromisso e outro.

Ao fim do dia, perguntar como foi o dia da pessoa amada também é uma ótima oportunidade para falar dos afazeres domésticos, dos planos a dois, das pendências dos filhos e da casa, de todas as novidades que aconteceram e os aborrecimentos que surgiram. É a hora de se conectar ao outro, fazer com que participe da sua vida e da sua rotina, já que passaram o dia longe um do outro.

Muitas pessoas, com o passar do tempo e a duração do relacionamento, vão esquecendo de fazer o simples acreditando já saber tudo que se passa na cabeça do outro e todos os passos que ele dá no dia a dia. Ainda que a intimidade, a convivência e a rotina lhe permitam conhecer o parceiro em profundidade, perguntar como ele está, como se sente e o que fez nunca é ridículo nem desinteressante.

Crie a rotina de conversar com o seu companheiro. Conte o que lhe aconteceu, como se sentiu, o que planeja. E ouça, verdadeiramente, o que ele tem a dizer. Por mais que se conheçam, por mais tempo que estejam juntos, o amor sempre precisa de atenção e cuidado, que pode ser demonstrado em uma simples frase “como foi o seu dia?”.

linhaassinatura_GISELI

Anúncios
Etiquetado , , , , , , ,

Sobre as pequenas mentiras

Dois homens sentaram ao meu lado no transporte público. Eram amigos e levaram sanduíches e refrigerantes para fazer um lanche durante a viagem. Até aí nada demais. Foram conversando sobre família, trabalho, coisas cotidianas, até que um deles disse “quando eu chegar em casa vou falar com aminha mulher que estou sem fome, que não comi nada e estou de dieta”. O colega, sem entender o porquê omitir que comeu um salgado, questionou: “por que você vai mentir? Não é mais fácil falar que comeu no caminho?”.

O amigo tentou a todo custo convencê-lo de que não existia razão para mentir. Mas todos os seus argumentos eram refutados com desculpas mais estapafúrdias do que omitir que comeu um salgado. E eu fiquei pensando que, assim como ele, existem pessoas que gostam de mentir, vivem de mentiras, omitem acontecimentos, inventam histórias. Que mentir nos relacionamentos é algo comum, recorrente e visto como normal.

Quem de nós não conhece uma amiga que faz uma compra e diz para o marido que estava na promoção? Ou que não tem dinheiro, mas pede do marido para economizar o seu? Um colega de trabalho que depois da festa da empresa foi para outro lugar, mas falou para mulher que o evento acabou mais tarde? Um amigo que diz que vai pescar, mas foi para outro lugar e só comprou o peixe no mercado para disfarçar?

Por que as pessoas optam por mentir quando dizer a verdade é tão mais simples? Como conseguem se lembrar das histórias que cria? Será que não se confundem com tantas invenções? Eu não tenho resposta para isso. Só sei que mentir, seja por qualquer motivo, é desnecessário e quem mente por pequenas coisas aos poucos passa a mentir por circunstâncias maiores.

Mesmo as mentiras que parecem inofensivas podem estragar um relacionamento. Conhecer alguém e omitir, comprar um presente para um amigo ou familiar e nem mencionar, ir em um encontro inocente e esconder, comprar uma roupa e dizer que ganhou, inventar uma promoção para comprar alguma coisa, almoçar com um grupo de colegas e omitir que alguém estava presente e não mencionar por medo da reação do outro são exemplos de mentiras, que se forem descobertas, podem trazer mal estar, desentendimento e insegurança.

Descobrir que o outro mentiu leva a desconfiança, insegurança e a crença de que há mais coisas escondidas do que as que foram descobertas. Se você precisa esconder o que faz sua relação não está bem. Se você esconde tudo que faz sem que haja motivo para isso talvez você não esteja bem.

Muitas pessoas acreditam que mentir os torna livres e deixa a vida mais interessante. Mas na verdade são prisioneiros de suas ações, têm medo de serem descobertos e correm o risco de estragar seus relacionamentos por bobagens. Liberdade é ter segurança para falar o que fez e o que sente sem medo.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,

Ninguém tem a obrigação de te amar

Adultos se frustram, sofrem desilusões e lamentam a dor de um amor que chegou ao fim. Provavelmente, mais de uma vez ao longo da vida. Inevitavelmente todas as pessoas que decidem se arriscar a viver um relacionamento amoroso sofrem em algum momento.

A relação pode ter sido curta ou longa. Ou nem ter existido oficialmente. Mas acabou. As pessoas mudam, se interessam por outras, veem que a pessoa pela qual se apaixonou nem existia – era sua própria criação -, mudou e quem amava não acompanhou a mudança. Motivos para terminar um relacionamento são diversos.

Certamente você já terminou o relacionamento com alguém e, algum dia, já terminaram com você também. Ainda que levar um pé na bunda possa doer mais, nunca é fácil quando um amor acaba. Mesmo aqueles que afirmam que estão numa boa, agora são apenas bons amigos e vida que segue, ainda estão se adaptando a nova rotina, divisão de bens e uma série de coisas que envolvem dizer adeus.

Talvez uma das piores coisas do fim de um relacionamento é constatação máxima de que NINGUÉM é obrigado a nos amar. E, portanto, não têm que ficar conosco por nossa vontade. É triste, mas podemos amar sem ser correspondidos ou não ser correspondidos com a mesma intensidade.

Quando uma relação chega ao fim é natural que as pessoas se questionem o que fizeram e o que poderiam ter feito para evitar o adeus. Mas se forem honestos verão que muitas vezes não havia nada a ser feito a não ser tudo que fizeram: se entregar de corpo e alma, amar sem reservas e confiar no amor do outro.

Infelizmente muitas pessoas não têm maturidade para lidar com o fim de uma relação. Acho que ninguém tem, na verdade. Mas, para sua própria saúde – física e mental -, procure aceitar. Ir atrás, mandar mensagens, perseguir, ameaçar, insistir num retorno só vai afastar ainda mais a pessoa que você gostaria de ter por perto.

Ninguém é obrigado a nos amar e estar ao nosso lado. Elas amam involuntariamente e permanecem conosco por vontade. Ou deveriam. Amar não é imposição.

Deixe ir…

Quando menos você esperar as feridas estarão saradas e seu coração estará preparado para amar novamente.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , ,

Sobre as expectativas dos outros

Você conhece alguém e logo começam a perguntar sobre o namoro, engata o namoro e já perguntam sobre data de casamento, casa e logo perguntam quando vem o primeiro filho, nasce o primeiro e já cobram o segundo. Eu não sei como é para os homens, mas nós mulheres somos cobradas constantemente, principalmente em relação a relacionamento amoroso e maternidade.

Eu, casada e mãe, não tenho absolutamente nada contra casamento e maternidade. Mas fico bastante incomodada com a ideia de que nascemos única e exclusivamente para ter alguém e procriar. Como se valêssemos menos se não estamos em uma relação amorosa ou não temos filhos. Quando uma mulher afirma que não deseja ter filhos, então, é logo tachada de fria, calculista e má pessoa.

Acredito que tantas cobranças sobre o que é ser mulher acabam, sim, por influenciar nossas escolhas e estabelecer padrões que, muitas vezes, não trazem felicidade. Escuto e leio inúmeros relatos de mulheres angustiadas por estarem sozinhas, reclamando que não encontram ninguém e seus relacionamentos não dão certo. Mas estar com alguém é garantia de felicidade e realização? Casar pode não ser bom para todo mundo, assim como ter filhos também não.

As inúmeras cobranças são se restringem somente a relação amorosa e filhos. Eu sei disso. Embora seja bastante chato seria até mais fácil lidar somente com essas questões. Criam expectativas – e inúmeros questionamentos – sobre todas as áreas da nossa vida. Uns se metem com mais veemência do que outros, mas dificilmente há alguém no mundo que não seja interrogado vez ou outra. Sobre família, estudo, emprego, filhos, casamento, amigos. Não importa. Os outros têm sempre um conselho incrível e uma opinião para dar.

Diante de tantas cobranças, você sabe exatamente o que deseja? Faz o que acredita ser o melhor para a sua vida? Casou por amor ou por achar que era hora? Vive de acordo com as suas expectativas ou as dos outros? São mais felizes aqueles que descobrem o que querem, que sabem onde desejam chegar, que lutam pelos seus objetivos e não vivem por perseguir aspirações alheias para serem exemplos.

Desejar casar e ter filhos é saudável. Casar e ter filhos porque os outros querem, por achar que já está na idade ou que não vai encontrar uma pessoa melhor já não é uma boa ideia. Além de nunca saciar as expectativas alheias, vai estar sempre em desacordo com as expectativas da pessoa mais importante do mundo: você mesmo.

Abra o coração para o amor, mas saiba que a sua felicidade não está em ninguém a não ser em si mesmo.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , ,

Relações violentas

Recentemente me colocaram em um grupo, no facebook, sobre relacionamentos abusivos. Um grupo com milhares de mulheres e uma série de conteúdo sobre violência contra a mulher e, sobretudo, relatos sobre relacionamentos abusivos. Muitas mulheres pedem ajuda para analisar o modo como são tratadas e identificar se os seus companheiros são abusivos ou não.

Por que estou escrevendo sobre isso? Porque muitas vezes ouvimos que algumas mulheres gostam de apanhar, gostam de ser “mulher de malandro”, estão em relacionamentos violentos e abusivos porque querem e escolheram. Mas, dentro de uma relação doentia, muitas pessoas perdem o seu referencial, têm dúvidas se estão sendo respeitadas ou não, algumas vezes não viveram outras experiências e nem sabem como funciona uma parceria saudável.

Estou certa de que nenhuma mulher gosta de ser agredida, humilhada, destratada, insultada, traída, ameaçada, amedrontada. Nenhuma. Mas algumas nunca chegaram a conhecer o que é amor, nem mesmo dentro de suas próprias famílias. Outras se apaixonaram por homens que, inicialmente, eram amorosos, e aos poucos apresentaram suas faces manipuladoras, abusivas e violentas.

Pessoas são universos complexos e os motivos que as levam a continuar em relações que fazem mal são mais difíceis de julgar do que podemos imaginar. São inúmeros os motivos. Algumas mulheres não têm para onde voltar, dependem de seus companheiros financeiramente, suas famílias não as aceitam de volta, têm filhos e acreditam que uma separação será dolorosa demais para as crianças, acreditam que são culpadas pelas agressões que sofrem, acham que merecem passar por todo o sofrimento que vivem, pensam que o companheiro irá mudar e que elas são responsáveis pelo comportamento deles.

Cada pessoa tem a sua história. Que não nos cabe julgar. Aliás, todo o julgamento que temos feito ao longo do tempo, colocando nossos dedos em riste para afirmar que cada um tem o relacionamento que merece e sofre porque escolheu, afasta ainda mais a possibilidade dessas mulheres falarem abertamente sobre seus sofrimentos e procurar ajuda.

Então, toda vez que sentir vontade de julgar uma mulher que sofre – ou sofreu – qualquer tipo de agressão por parte do companheiro e comentar “como ela continua essa relação?”, “merece passar por tudo isso mesmo”, “como ela ainda corre atrás dele?”, “voltou para ele porque gosta de sofrer”, faça o exercício de se colocar no lugar do outro. Eu sei que é difícil, mas procure entender que tomar a decisão de se livrar de algo que faz mal também é doloroso – principalmente quando a violência é tanta que a pessoa envolvida nem sabe mais como é viver em paz.

Sobre violência é bom ressaltar que nem toda agressão é física. Se a pessoa com quem você se relaciona te ameaça, te impede de falar com os amigos, te isola, diz que você é incapaz de atingir seus objetivos, pede suas senhas, vigia o que você faz, te persegue, obriga a fazer sexo, se recusa a usar preservativo, retém seu dinheiro, não te deixa estudar ou trabalhar, lamento dizer: esse é um relacionamento abusivo.

O amor precisa fazer bem. Não pode deixar cicatrizes no corpo nem na alma.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: