Arquivo da tag: Encontro

A pessoa certa na hora errada

vida

São muitas as pessoas que desejam encontrar um grande amor, mas continuam sozinhas. Simplesmente não encontram a quem amar. E fico me questionando: não encontram ou não percebem que alguém especial cruzou o seu caminho? Estavam em outro momento da vida quando conheceram uma pessoa bacana? Ou resolveram não ir adiante com um relacionamento que estava prestes a surgir?

Com a quantidade de gente que se diz cansada de relacionamentos vazios e sexo sem compromisso, será que realmente não existe a “pessoa certa na hora errada”? Sempre duvidei disso acreditando que quando desejamos algo verdadeiramente damos um jeito de fazer com que tudo dê certo. O amadurecimento, no entanto, abre meus olhos para a possibilidade de existir um descompasso entre o que desejamos e o momento em que isso acontece.

Por inúmeras razões, em alguns momentos da vida não estamos dispostos a assumir um compromisso. Terminado um relacionamento, por exemplo, geralmente as pessoas não estão abertas a um novo amor. Sair com os amigos, viajar, andar sem ter que dar satisfação para ninguém pode ser mais relevante do que arriscar a sofrer novamente. E, entre um programa e outro, surge uma pessoa especial que não recebe a devida atenção. Ou você é a pessoa especial ignorada pelo outro.

Como nada é fácil nesta vida, pode ser que pessoas incríveis surjam em momentos indigestos, como uma perda, um problema familiar, uma mudança não planejada da vida, fazendo com que o desejo de viver a vida sem pensar nas consequências impeça a construção de um laço duradouro com alguém. O que é até bom, pois ninguém merece ser envolvido nos problemas alheios.

O amor da sua vida pode ser o colega de turma. O cara do trabalho. O vizinho do condomínio. O amigo de um familiar. O cara da mesa ao lado no bar. O amor está em toda parte, mas não está disponível para os distraídos, que desejam que tudo aconteça no tempo certo – no seu tempo – e não se permitem olhar para os lados.

Já vi também muitas pessoas dizendo que querem amar, mas na hora que sentem o coração bater mais forte se fecham em si mesmas, inventam mil desculpas e não se permitem viver uma nova história.  Temem sofrer novamente e deixam o que poderia ser o amor de sua vida seguir em frente. E o amor, coitadinho, mais uma vez escorre por entre os seus dedos.

Então, se você tem a quem amar, aproveite o momento. Agradeça ao universo por ter apresentado uma pessoa que você desejou que fizesse parte da sua vida no mesmo momento em que ela desejou também. Isso é coisa rara. É um presente. É para poucos.

Para quem, independente do motivo, ainda não encontrou um amor eu tenho uma certeza: o universo nunca desiste de nós e se isso for realmente importante para sua vida irá acontecer. Cedo ou tarde. Mas não na hora em que você deseja. Portanto, não esteja distraído. E se o coração bater mais forte, pergunte a ele se não vale insistir. Pode ser o amor de sua vida, ainda que na hora errada.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,

Ele a viu descendo as escadas

Primeiro, segundo, terceiro degrau. Parou no quarto. E desde o segundo, ele já sabia.

Olhou-a a noite inteira, esperando um encorajamento. Ela passou por ele. Duas vezes. Era a sua deixa. Esperou mais um pouco até sentir-se confiante. Teve certeza quando ela o olhou de volta. Ele já sabia.

Ela não notou. Passou por ele inadvertidamente (duas vezes). Olhou e cumprimentou outras pessoas, não ele. Sequer o viu. Surpreendeu-se quando ele surgiu do nada e disse “oi”, cuspindo as duas vogais como se tivesse passado quinze minutos brincando com elas na ponta da língua.

Ele perguntou seu nome. Ela disse os dois, seu nome composto. Não entendeu porque fez isso. Amigos potencialmente descartáveis (desses que se adquire em filas e noitadas) geralmente tinham acesso apenas à primeira parte de seu nome (a parte mais fácil de esquecer). Ele disse o nome dele. Ela achou inusitado. Não teria como esquecer.

Ele pediu para trata-la pelo segundo nome. Quantos sinais ela não veria naquela noite?

Conversaram amenidades. Política internacional. Conflitos no Oriente Médio. Perspectivas profissionais. Desejos para o futuro. Filosofia. Assuntos profundos tratados superficialmente, mas ainda assim, impróprios para o lugar e para o barulho.

Uma conversa que clamava por uma continuação. Mas ela não se atreveria a pensar que passaria daquela noite.

A carona chegou. Ela disse que estava de saída. Ele pediu seu telefone. Ela ficou na dúvida se daria o número certo ou errado, como geralmente fazia naquela fase (uma estratégia que tornara tudo ainda mais fácil). Começou a sequência determinada a mudar o último algarismo. Mas não o fez. Também não entendeu por que fez aquilo.

Enquanto se despediam, ela desejou saber se seus lábios eram tão macios quanto aparentavam àquela distância. Olhou para o lado, mexeu no cabelo, lhe deu mais um minuto. Quando se virou de volta ele já estava bem perto, de olhos fechados. Ela sorriu (ele não viu).

Quando abriram os olhos tudo estava diferente.

Ele já sabia. Ela, não. Mas, de alguma forma, sentiu naqueles lábios, os mais macios do mundo.

Suas vidas haviam mudado.

 

linhaAna Márcia Cordeiro

.

Etiquetado ,
%d blogueiros gostam disto: