Arquivo da tag: paixão

Goste de quem gosta de você

Depois de ouvir mais uma daquelas histórias de amor mal resolvido, em que a pessoa fica entre idas e vindas com o amado, eu fiquei me perguntando: por que algumas pessoas insistem em se relacionar com quem já demonstrou que não gosta delas? Será que não percebem? Ou desejam mudar o sentimento do outro?

A pessoa se envolve com quem é comprometido, acredita que a mulher do cara é doente, que ele não termina por causa dos filhos, que não tem tesão nenhum pela mulher, que vai chegar o dia em que ele terminará seu compromisso para eles ficarem juntos e felizes. Conheço uma mulher que esperou sete anos. Em vão, claro.

Conheço mulheres que se apaixonaram por homens que não queriam compromisso, alegando que não era o momento certo, o famoso “o problema não é você, sou eu”, mas assumiram compromisso, não com elas, tempo depois. Ou seja: o problema não era o momento, era a falta de amor mesmo. Não queriam compromisso com elas.

Mas ainda tem pior: algumas mulheres ainda continuaram ficando com esses homens. Algumas depois que o relacionamento deles terminam. Outras mesmo quando eles ainda estavam comprometidos com as mulheres por quem elas foram “trocadas”. Ficaram à disposição, como um produto na estante, para satisfazer o capricho e os desejos do outro. Acima dos seus.

Eu acho errado jurar amor quando não se ama, prometer o mundo para ter uma noite de sexo, fingir interesse se não deseja levar o relacionamento adiante, conquistar alguém por capricho, iludir alguém. Mas pessoas antiéticas, mentirosas e egoístas existem. Estão por aí espalhadas pelo mundo e não agiriam de maneira correta quando o assunto é relação amorosa.

Também entendo que é difícil tomar decisões conscientes quando se trata de paixão e compreendo quem, em algum momento da vida, age de maneira descompensada, desequilibrada e impulsiva na esperança de demonstrar amor e querer estar junto. Liga insistentemente, manda flores, coloca carro de som, dá presentes, escreve cartas, bate na porta do outro de madrugada. Mas para algumas pessoas esses comportamentos viram rotina e duram anos.

Quando o amor é recíproco ele não é difícil, não causa mal nem leva anos para se solidificar. Ninguém muda de ideia – e passa a amar – depois de insistência. Infelizmente. E as pessoas ficam ali, estagnadas, sem levar outro amor adiante na esperança de que aquele, enfim, um dia irá virar sua alma gêmea.

Não existiriam belas músicas de amor se todos os relacionamentos fossem correspondidos, perfeitos e felizes. Nem tão belas poesias, livros e filmes. A dor de amor está aí, em toda parte. Mas ela precisa ter fim.

Se você chora mais do que sorri, dá mais do que recebe e só se prejudica nessa relação, repense. Goste mais de você do que do outro, porque você é a única pessoa que ficará do seu lado até o fim.

E ouça Caetano. Aprenda a gostar de quem gosta de você.

“Agora não vou mais chorar
Cansei de esperar
De esperar enfim
E pra começar
Eu só vou gostar
De quem gosta de mim”

linhaassinatura_GISELI

 

Anúncios
Etiquetado , , , ,

Se não quer relacionamento não culpe os outros

Eu vejo muita gente reclamando que hoje em dia ninguém quer nada sério, que ninguém quer compromisso, que não tem ninguém que valha a pena. Se você é uma dessas pessoas, por favor, responda com sinceridade: você quer um relacionamento sério? Você quer compromisso? Você vale a pena? Não precisa responder para mim, responda a si mesmo.

Essas perguntas, ainda que pareçam sem sentido, tem uma justificativa: vejo muita gente falando que quer compromisso, que problemáticos, desapegados e descompromissados são os outros, sem ter vontade genuína de viver um relacionamento duradouro.

Sempre defenderei o amor, a vida a dois, o casamento e relacionamentos longos. Embora o mundo tenha evoluído bastante, se apaixonar por alguém e se permitir viver uma relação continua atual. Amar nunca está fora de moda. Nem antigo. Nem passado.

Esclareço, no entanto, que manter longos relacionamentos não é obrigatório. Assim como casar também não. E, mais do que isso: ninguém é mais feliz por ter alguém. Somos seres completos. Não somos partes, não nos completamos em ninguém a não ser em nós mesmos. É Claro que quem ama quer ver o outro feliz e se preocupa com a sua felicidade, mas a felicidade do outro não é sua responsabilidade.

Eu não sei ao certo o porquê estou escrevendo essas coisas. Mas vendo tanta gente infeliz no amor, ou infeliz por estar sem um amor, eu queria dizer que não é possível sem feliz com alguém sem antes ser feliz sozinho. Também quero dizer que muita gente está sozinha por sua própria causa, e não do outro.

Amar exige cuidado responsabilidade e entrega. Exige prestar atenção no outro e não só em si mesmo. O amor é bom, mas é um compromisso. Diário. Que muitas pessoas que vejo reclamar da ausência de um alguém não estão dispostas a ter. E não precisam estar dispostas, entende?

O que me incomoda é o discurso de que a causa de estar sozinho é um problema de outra pessoa. Com a incapacidade que algumas pessoas têm de se responsabilizar pela própria vida. Você está sozinho porque quis. E isso é ótimo. Está sozinho por ter se livrado de um traste, por não ter se apaixonado na mesma medida que o outro, porque viu que não amava tanto assim. Ou porque alguém terminou com você, o que faz parte. Ou ainda: você prefere ficar só.

Eu sei que em uma sociedade como a nossa às vezes é difícil admitir para si mesmo que prefere ficar sozinho do que acompanhado. Sei também que ninguém precisa ficar dando satisfação sobre a sua vida pessoal. Mas precisa, sim, ser verdadeiro com as suas vontades. Quer mesmo alguém com quem compartilhar a vida? Quais relacionamentos você está cultivando?

Não vai adiantar se relacionar com quem quer algosério, se você não quer. Como não é honesto encher o outro de esperança se não deseja manter um relacionamento. A vida pode ser mais simples. Sobretudo se você parar de reclamar, pensar no que quer, não culpar ninguém e respeitar a si mesmo.

Há amor no mundo, sim. Há quem queira amar.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , , ,

O prazer da conquista

Há muitos anos eu trabalhei com um cafajeste nato. Dava em cima de todas as mulheres que via e não perdia o hábito nem quando namorava. O típico homem que vai para o happy hour com os colegas de trabalho e quando a namorada liga diz que ainda está trabalhando. E, claro, tinha também um affair no trabalho. Sempre. O que me impressionava.

O que leva uma mulher a se relacionar com um homem, que sabidamente, não vale nada e nem faz questão de esconder? Só passatempo, pegar sem se apegar, sexo e nada mais, diziam elas. Depois estavam lá choramingando pelos cantos, reclamando que ele já estava em outra, que não retornava as ligações.

Lembro de uma festa de final de ano em que o marido de uma funcionária foi busca-la e ela não estava mais na festa. Ele ligava para mulher, ela insistia que estava na festa, ele fez um barraco querendo procura-la e, na verdade, ela já tinha saído faz tempo com vocês sabem quem: ele, o cafajeste. Noutra ocasião ele chegou no escritório cabisbaixo, pois tinha saído com uma mulher na noite anterior e a namorada o encontrou com a outra. Um barraco. As mulheres brigaram entre elas e brigaram com ele. Ou seja: ele sempre estava envolvido em confusão.

Eu não conseguia entender o porquê de tudo aquilo. Ele tinha várias mulheres interessantes aos seus pés. Eram muito mais inteligentes do que ele, mais bonitas do que ele, mais bem-sucedidas do que ele. E nenhuma era suficiente. Até que um dia, enquanto eu saboreava meu Big Mac no na hora do almoço, ele apareceu, começamos a conversar e eu perguntei o porquê ele se envolvia com tantas pessoas, fazia promessas, mantinha contato se não tinha interesse em levar adiante qualquer relacionamento.

A resposta? “O prazer da conquista”. Ele explicou que gostava de saber se a mulher retribuiria suas investidas, que se sentia bem quando despertava a paixão delas e que a graça da coisa não era o envolvimento em si, mas convidar para sair, ficar na expectativa da resposta, enviar mensagens no dia seguinte e fazer com que a mulher se sentisse desejada. Despertar o interesse e conquistar alguém era o seu desafio. O resto não importava.

Disse mais: “a maioria dos homens é assim”. Argumentou que muitos homens se envolvem em relações extraconjugais não por amar pouco a parceira, não sentir prazer, não ter desejo ou admiração. Mas pelo prazer da conquista. Para ter certeza de que ainda conseguem despertar o interesse de alguém e são convincentes.

Eu, que não sou homem, não posso afirmar que esse colega de trabalho, do qual nunca mais ouvir falar, tem alguma razão. Mas acho que sim. Muitos homens querem aprovação, têm desejo de afirmação, gostam do êxtase da paixão e não têm paciência para construir uma relação duradoura. Para alguns essa é apenas uma fase. Para outros dura a vida inteira: uma coleção de conquistas que não vingam, porque vivem buscando uma nova paixão.

Talvez sejam homens inseguros, que desconfiam não ser capazes de manter as mulheres apaixonadas por muito tempo e preferem descartá-las antes que o envolvimento casual se transforme em algum tipo de relacionamento. Difícil encontrar respostas. Tipos como esse, no entanto, estão por toda parte. E nem sempre são tão descarados.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , ,

Por quem você se apaixonou?

É difícil explicar o porquê as pessoas se apaixonam, ficam juntas e resolvem construir uma relação amorosa. São diversas as razões que fazem alguém se encantar, apreciar, desejar, sentir algo diferente, querer estar próximo de alguém e estabelecer um vínculo afetivo. E os motivos mudam de pessoa para pessoa, por isso mesmo falar de amor e relações amorosas é tão interessante. Não é uma equação matemática, uma fórmula, uma regra.

Você sabe o que que te fez apaixonar? O que te levou a aceitar o segundo encontro, o próximo e o próximo? O que você admira na pessoa que está com você? O que ela tem que outras pessoas não tinham? Como você se sente ao lado de quem ama? Por que essa pessoa e não outra?

Ao longo do relacionamento as pessoas mudam, é claro. Mas muito da sua essência continua ali. Muito daquilo que te fez encantar por ela, que te levou a viver essa história agora.  Infelizmente, com o passar do tempo, muitos passam a se irritar com o que antes se encantavam, passam a exigir alguém diferente daquela pessoa que conheceu e querem transformar o outro em quem ele não é.

Ao conseguir mudar o outro e transformá-lo em uma pessoa bem diferente daquela que despertou sua paixão, ao invés de ficarem felizes se desapaixonam. Cansam. Ficam desmotivadas. Não têm mais alegria, tesão, admiração, apreço, vontade de estar junto. E nem desconfiam o motivo.

É saudável mudar de ideia e agir de maneira diferente com o passar do tempo. Constantemente nos surpreendemos ao ver que algumas pessoas que convivem (ou conviveram) conosco não mudaram, não evoluíram, não aprenderam algo novo e repetem comportamentos do passado. Estagnados. Estacionados. Presos em si mesmos.

Nossas experiências nos transformam e, diante disso, é compreensível que relacionamentos amorosos contribuam para o desenvolvimento pessoal, sejam fonte de apoio e estimulem a mudança. Mas não por pedido do outro. Por determinação do outro. Por obrigação. Por imposição. Por ciúme. Por medo de perder. Ou sei lá mais o porquê.

Relacionamentos significativos são trabalhosos, requerem esforço e dedicação. Todos os dias. O que só é possível se houver respeito mútuo, interesse genuíno pelo que o outro é e consideração pelas suas necessidades e as do outro. E na hora da dificuldade é bom lembrar as características que te fizeram apaixonar, o que você admirava no outro, quais atitudes o tornaram tão especial aos seus olhos.

A pessoa por quem você se apaixonou ainda está ali. Se você quiser.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , , ,

O fim da paixão

A paixão acaba. Cientificamente ela dura em média dois anos, nos enche de euforia e uma vontade louca de estar ao lado de determinada pessoa. Por conta de uma série de alterações no nosso cérebro enquanto estamos apaixonados, pensamos constantemente em que amamos. E isso tem um lado bom: faz com que no início da relação tudo seja mais fácil e ignoremos atitudes que antes julgaríamos indesejadas.

Como já diz o ditado “a paixão cega”. Obcecados pelo outro não somos capazes de enxergar seus defeitos, tomar decisões racionais e dedicamos a maior parte do nosso tempo a quem julgamos amar. Nossa percepção da realidade muda, só vemos sentido se estivermos com o outro e ficamos eufóricos a cada encontro.

Algumas paixões levam a atitudes impensadas, decisões maléficas e riscos desnecessários. Na maior parte das vezes, no entanto, a paixão traz felicidade, momentos alegres, permite experimentações e colabora com para que haja uma ligação emocional com quem conquistou o nosso coração. Isso porque, quando a paixão acaba, as pessoas estão ligadas umas às outras e iniciam uma nova fase do relacionamento.

A paixão dá lugar a uma ligação emocional. O coração não vai bater forte, as mãos não vão suar, você não vai ficar ansioso a cada ligação nem pensará no outro o dia inteiro. E, ainda assim, vai desejar estar ao seu lado, vai fazer planos, imaginar o futuro juntos, apreciar o beijo, o toque e os momentos ao lado dessa pessoa.

Para muitas pessoas, com o fim da paixão o relacionamento perde a graça. Só veem sentido na euforia, na insensatez, na conquista. Sentem um enorme vazio enorme depois que essa fase acaba e terminam a relação. Para outras, o fim da paixão traz felicidade e a calmaria anuncia que o amor está surgindo. Constroem laços e se sentem mais felizes e realizados do que do início do relacionamento.

A ciência é sábia em não permitir vivermos eternamente da fase da paixão. O que é bem diferente de afirmar que relacionamentos duradouros não são cheios de amor, surpresas e romantismo. O amor é a paixão com os pés no chão, que reconhece que manter um relacionamento requer esforço e vontade diária.

Só depois de passada a paixão é possível dizer se o amor é forte o bastante para durar.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , ,
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: