Arquivo da tag: parceria

Amor, ganhamos!

Dia desses, voltando do trabalho para casa, desviei o caminho. Centro do Rio de Janeiro você sabe como é: melhor evitar rua deserta demais. O novo percurso era mais movimentado, iluminado e considerei mais seguro. Foi quando entre tantas pessoas, um homem, com um telefone na mão, passou na minha frente. E não pude deixar de ouvir a conversa. Ou uma parte dela.

Muito animado, com uma voz eufórica, andando rápido, gritou quando foi atendido: amor, ganhamos! Enquanto ele falava entendi que era advogado e a causa que defendia tinha muita importância para ele. Falou em valores de indenização, em como foi a defesa, até que me distanciei e não pude ouvir mais.

Naquele dia fui para casa pensando no quanto é bacana ter alguém para ligar quando algo bom acontece. E que maravilhoso é quando o seu amor é o seu amigo. A pessoa para quem você quer ligar, contar as novidades e comemorar. Demonstrar todo alívio, se sentir vitorioso, compartilhar as experiências vividas.

Aquela ligação me tocou. Quantos casais tem no parceiro o seu amigo, confidente e companheiro? Quantos pensam em ligar primeiro para o cônjuge quando tem alguma novidade? Quantos têm a certeza de que o companheiro está torcendo pelo seu sucesso? Quantos confiam que são ouvidos e têm suas falas acolhidas?

As pequenas situações cotidianas revelam a importância da relação amorosa na vida das pessoas. Poder contar com o companheiro é uma delas. Talvez a mais importante. Ter para quem dar a mão, receber um abraço de conforto, uma palavra de estímulo, um colo ou um sorriso é revigorante. Saber que tem alguém que torce por você também.

Por mais que as pessoas vivam juntas, compartilhem o mesmo teto e dividam a cama, cada pessoa tem a sua história, a sua trajetória, o seu jeito de ser, e uma maneira própria de olhar para o relacionamento. Mas de que vale compartilhar a vida com alguém se não é para somar esforços? Se não é para ter um amor, amante, amigo, companheiro na mesma pessoa?

Quantos podem pegar o telefone no meio da rua e falar “amor, ganhamos!”? Sentir que do outro lado da linha há uma vibração positiva, uma voz animada, alguém que ficou feliz por saber que o outro está feliz?

Todo mundo precisa de companheiro que ouve com entusiasmo as conquistas do outro, torce, vibra e incentiva. Seja essa pessoa. E ame alguém que faça o mesmo sobre as suas conquistas. Afinal, em uma relação amorosa saudável, quando um ganha, ganham os dois.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,

Respeite o sentimento alheio

Arrisco dizer que qualquer pessoa adulta já despertou o interesse de alguém pela qual não sentiu absolutamente nada. Ou se relacionou com alguém pela qual não se apaixonou, não gostou, não sentiu algo diferente, mesmo a outra parte morrendo de amores, demonstrando todo carinho do mundo e fazendo de tudo para construir uma relação bacana.

Ninguém é obrigado a ficar com quem não gosta só porque o outro está apaixonado. Para ser amor precisa ser recíproco. Os dois precisam estar felizes, gostar da companhia um do outro, sentir vontade de estar junto. Mas nem todo mundo pensa assim, tanto que não é difícil encontrar quem fique com quem não gosta ou continue um relacionamento que não é de seu agrado, pois prefere estar com alguém a estar só.

Há quem prefira continuar levando, dando esperança, encontrando quem esteja apaixonado por ela, só para passar o tempo. E não considera errado se isso for feito de maneira honesta, sincera e verdadeira, se for dito com todas as letras que a relação não vai passar de alguns encontros espaçados e não tem possibilidade de evoluir.

No entanto, eu tenho dificuldade de entender as pessoas que deixam outras na estante. Que ligam quando bem entendem, não desfazem o contato, não perdem o vínculo, não deixam o outro em paz para seguir seu caminho e, quem sabe, encontrar alguém que mereça o amor que tem para dar. Sabem que os apaixonados estão sempre disponíveis e se aproveitam disso.

Uma pessoa apaixonada que se coloca sempre à disposição, investe energia, doa seu tempo e aceita viver uma relação casual que não terá futuro nenhum é responsável pelas consequências dessa escolha. Principalmente nos casos em que foi avisado e concordou com os termos. Mas convenhamos: apaixonados não sabem bem o que fazem.

Na maioria das vezes eles aceitam migalhas, se contentam com qualquer oportunidade de estar junto de quem deseja, tentam se convencer de que é melhor qualquer tipo de relação a nenhuma. Mesmo que ela seja esporádica, dolorosa e unilateral. Porque o apaixonado sente saudade, sofre, manda mensagem, fica esperando um sinal de fumaça no dia seguinte enquanto para o outro foi uma noite e nada mais. Até ele sentir vontade de novo.

Se você é o apaixonado não correspondido eu preciso dizer que ao desperdiçar energia com quem não quer assumir um compromisso, você perde a oportunidade de conhecer alguém que valha a pena. Mas esta crônica não é para você. É para a pessoa pela qual você se apaixonou. E outras tantas como ela.

Essas pessoas precisam respeitar o sentimento alheio. Respeitar quando o relacionamento termina e o outro não quer mais, mas, sobretudo, quando ele ainda resiste, insiste, quer ficar junto – mas elas não desejam.

Está solteiro, quer só passar o tempo e não vê problema em ficar com alguém que já conhece e está disponível? Fique com quem não está apaixonado por você. Mesmo dizendo abertamente, com todas as letras, que não quer mais do que uma relação casual, quem está apaixonado se ilude. E você estará nutrindo falsas esperanças.

Com tantas pessoas no mundo disponíveis para encontros casuais, você não precisa ficar com quem vai ficar esperando uma ligação no dia seguinte. Não precisa brincar com o sentimento alheio. Siga em frente. E permita que os outros façam o mesmo.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , ,

Quem ama se importa

amornavegandoVocê liga e seu filho não atende, o coração dispara. Seu telefone toca e aparece no visor o nome da escola, seu coração quase para. Sua irmã não chegou em casa na hora combinada, falta o ar. Seu noivo não responde uma mensagem, você se preocupa. Sua mãe passa mal e você perde o chão. Seu pai não está bem, você sente-se mal.

Provavelmente não sou a única que prevejo coisas ruins e sinto calafrios quando, simplesmente, alguém que amo não atende um telefonema ou não responde uma mensagem. Só quem ama se importa. Em estar presente, em ver o outro feliz, em saber se já chegou, se já comeu, que horas volta. Em chegar mais rápido em casa para jogar conversa fora, comprar uma barra de chocolate que o outro adora ou apenas fazer uma visita relâmpago para ganhar aquele abraço aconchegante.

O amor, queridos, é bom. Mas é também uma fonte de dor inesgotável. É fonte de saudade, de desavenças, de desentendimentos, de controvérsias, de preocupações, de expectativas, de conciliações, de consensos, ponderações e muito aprendizado. Porque só quem ama se importa. Com o que o outro sente, o que o outro deseja, o que o outro fala.

“Se tens um coração de ferro, bom proveito. O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia.”

José Saramago

Cuidamos dos nossos amigos, familiares e amores, mesmo que por vezes de maneira sufocante, não por eles. Mas por nós mesmos. Seria possível viver sem essas pessoas que povoam nossas vidas, fazem parte da nossa jornada e estão conosco todos os dias? Ainda que todos os dias não sejam presencialmente, 24h por dia?

Imagine como seria encantadora a vida se não nos importássemos com nada nem ninguém? Não conheceríamos o desespero, nem com um familiar internado no hospital nem com uma ligação não atendida. Nem nos preocuparíamos nunca em avisar coisa alguma. Se a pessoa amada traiu, mentiu, não apareceu, caiu, passou mal, também não iria significar coisa alguma. Seríamos indiferentes. E viveríamos uma liberdade inigualável. Mas é possível viver sem se importar? Sem ter a quem amar? Sem ter com quem se preocupar?

As pessoas que amamos vão sofrer, se frustrar, adoecer, morrer e nos trair. Independente da nossa vontade e de todo amor e cuidado que dedicamos a elas. E, inevitavelmente, sofreremos com isso. E, ao mesmo tempo em que amar nos faz sofrer, amar nos torna humanos. Faz-nos perceber o quanto somos pequenos diante do mundo e de todos os seus acontecimentos. Porque, demonstrando nosso total egoísmo, cuidamos deles por nós mesmos.

“O outro é uma complementaridade que nos torna a nós maiores, mais inteiros, mais autênticos. Essa é a minha própria vivência.”
José Saramago

Por quem amamos choramos até nos afogar em nossas próprias lágrimas e ver o corpo desidratar e doer. Mas a dor nos faz vivos. E nos dá forças para recomeçar. Seja lá o que isso venha a significar. E, amando os outros e a nós mesmos, conseguimos nos colocar no lugar das pessoas que nem sequer conhecemos. Ou nunca vimos. Porque só quem ama se importa.

Por mais que amar às vezes cause sofrimento ou nos sufoque, a vida seria desoladora se não tivéssemos com quem nos importar. E se não existisse alguém que se importasse conosco. Porque é o amor que faz a vida valer a pena.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: