Arquivo da tag: relação amorosa

Relações que esgotam as energias

Quando estamos comprometidos e apaixonados fazemos tudo que está ao nosso alcance para agradar, satisfazer as necessidades e deixar o outro feliz. Mas, para algumas pessoas, nada é suficiente. Estão sempre a reclamar, exigir um pouco mais e, por meio de manipulação, fazem com que o outro se sinta culpado, insuficiente e desvalorizado.

Pode ser que você nunca tenha vivido uma relação assim, mas provavelmente, conhece alguém que passou (ou passa!) por situações como essa. Por que isso acontece? Fomos educados a acreditar que se amamos uma pessoa e ela diz que nos ama, apesar do sofrimento que suas atitudes e comentários provocam, estamos em dívida por não fazer o outro feliz.

Geralmente essas relações não são equilibradas, de um lado tem alguém comprometido e disposto a fazer tudo para manter o outro feliz enquanto do outro lado existe alguém mais preocupado consigo mesmo, pouco disposto a satisfazer as necessidades da pessoa que está ao seu lado.

Mas não é fácil reconhecer que a pessoa com quem convivemos só quer fazer as coisas à sua maneira, independentemente do nosso bem-estar. Que o ser amado não está preocupado em conhecer e valorizar as nossas necessidades nem com a felicidade do relacionamento.

Manipuladores são inteligentes, preservam uma imagem simpática, afável, que dificultam que a pessoa que a pessoa manipulada exponha seus sentimentos, pois corre o risco de ser desacreditada. Portanto, mais do que prestar atenção nos comportamentos do parceiro, saiba como se sente em relação a eles.

Sente-se sufocado? Sempre triste? Sem energia? Com medo de desagradar? Preste atenção nas suas emoções. Observe os seus sentimentos. Em uma situação de tensão tente se colocar no lugar do outro e responda: o que você diria, quais escolhas faria? Existe dois pesos e duas medidas?

Uma relação cheia de manipulações gera esgotamento emocional e não contribui para o bem-estar físico e mental. Se a pessoa com quem você está suga as suas energias, procure ajuda profissional. O amor, ainda que tenha momentos difíceis, precisa ser bom.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , ,

É autocuidado ou medo de amar?

“Eu não quero me envolver”, “melhor pegar sem se apegar”, “não vou criar expectativas”, “as coisas estão indo bem, mas não quero nada sério”. Essas e muitas outras são frases que ouvimos constantemente. Quando se trata de amor, a prudência é sempre válida. Mas até que ponto é autocuidado ou medo de amar?

Às vezes, o que parece autocuidado e proteção nada mais é do que uma barreira que impede de amar, se envolver e permitir a construção de um novo relacionamento amoroso. Experiências passadas, como rejeição, abandono e traição criam feridas e a necessidade de se proteger de novas desilusões.

Muitos medos podem se disfarçar de precaução, criar mecanismos para evitar uma relação e fazer com que a pessoa se feche, impedindo que o bom se aproxime e um relacionamento saudável seja construído. Evitar se relacionar é, também, deixar de viver.

À medida que amadurecemos e temos experiências não é prudente se envolver de cabeça, se jogar sem saber onde está se metendo, não se preocupar com o futuro, não pesquisar o outro, agir por impulso. Entender os seus desejos e respeitar seus limites, assim como os da outra pessoa, é importante para avaliar o envolvimento e construir uma boa relação.

Mas criar estratégias para não se apegar, fazer joguinhos para desmarcar encontros que você deseja, dar gelo, não atender ligações, tratar mal a pessoa com medo de criar vínculo quando a pessoa demonstrou ser alguém especial, é medo de amar. E medo não é autocuidado nem proteção.

Todas as pessoas que amaram já sofreram alguma vez. Já se desiludiram, já se decepcionaram, já se magoaram, já foram traídas, já foram abandonadas, já foram enganadas. É perfeitamente compreensível que tenham medo de se entregar novamente, que tenham mais cuidado, que pensem melhor antes de se envolver.

Eu estou aqui para dizer que uma relação é diferente da outra. Que uma pessoa é diferente da outra. Que ter sofrido um dia não significa que vai sofrer sempre. E que todos nós merecemos amar e ser amados. Portanto, tenha cuidado, mas não crie barreiras. Só recebe amor quem tem coragem de amar.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , , ,

Compartilhando sentimentos

Por mais que a gente compartilhe a vida com alguém, há sempre uma parte de nós que preservamos. Sentimentos que não contamos a ninguém – e alguns que nem entendemos. Muito de nós só nós sabemos. Conhecemos. Sentimentos. Mais ninguém. E constatamos que caminhamos sozinhos, mesmo quando acompanhados. Cada um tem uma maneira de ver e sentir a vida. Inclusive as mesmas vivências representam experiências diferentes para cada pessoa.

Por que estou falando tudo isso? Porque há um mundo em cada um de nós que não compartilhamos com ninguém. Nem com a nossa cara-metade, carne minha, alma gêmea. E não há nada de errado nisso. Não há má fé. Não há falta de amor. Errado é mentir, inventar histórias, omitir fatos relevantes para a vida do casal, dizer uma coisa e fazer outra, prometer algo e não cumprir. Não contar tudo para o amor da nossa vida não significa esconder as coisas. Significa que cada pessoa é um mundo inteiro a ser descoberto. Por ela mesma.

Mas o que você diz ao companheiro? O quanto da sua vida você compartilha? Você tem liberdade para dizer o que pensa? Pode falar sem reservas sobre o que te incomoda sobre a relação, os amigos do casal, os familiares? Seus sentimentos são importantes para o outro? Tenho visto que muita gente não pode falar abertamente com a pessoa com quem casou. Sobre coisas simples, como por exemplo, que não gostaria de ir numa festa de família, que não quer receber determinada pessoa naquele dia, que não se sente à vontade com determinado amigo do outro, que está com ciúmes de alguém.

Algumas pessoas estão em uma casa onde não opinam em nada sobre a decoração. Fazem viagens sem incluir um lugar que adoraria conhecer. Fazem programas com companhias indesejáveis para não desagradar o outro. E não têm coragem de dizer o que desagrada. Ou acham que relacionamento é assim mesmo: aturar um ao outro.

Uma coisa é ignorar uma pia molhada, um chinelo fora do lugar ou uma louça na pia. Ao longo do tempo a gente aprende que nem tudo é do nosso jeito. E tudo bem. Outra coisa bem diferente é poder dizer que determinada opinião te ofendeu, que marcar compromissos sem te consultar atrapalham sua rotina, que não gosta de determinada pessoa. Um relacionamento precisa ser bom para os dois.

Diferente do que muitos acreditam, quando tomamos a decisão de casar, viver junto, dividir a vida com alguém, não conhecemos o outro em sua totalidade. Até porque estamos mudando o tempo todo. Cada um tem suas ideias, seus gostos, seus hábitos e sentimentos. E precisa encontrar uma maneira de expor o que for importante para o seu bem-estar e do relacionamento. Sem medo. Não é gritar, impor, só fazer as coisas do seu jeito. É fazer as coisas do seu jeito e também do jeito do outro. Ter liberdade para dizer o que sente e chegar num consenso.

Todo mundo precisa de um ambiente amoroso, seguro e confiável para ser você mesmo. E é importante que o seu próprio lar – e o seu relacionamento – seja esse lugar de reencontro. Com você mesmo e com o outro.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,

Amor, ganhamos!

Dia desses, voltando do trabalho para casa, desviei o caminho. Centro do Rio de Janeiro você sabe como é: melhor evitar rua deserta demais. O novo percurso era mais movimentado, iluminado e considerei mais seguro. Foi quando entre tantas pessoas, um homem, com um telefone na mão, passou na minha frente. E não pude deixar de ouvir a conversa. Ou uma parte dela.

Muito animado, com uma voz eufórica, andando rápido, gritou quando foi atendido: amor, ganhamos! Enquanto ele falava entendi que era advogado e a causa que defendia tinha muita importância para ele. Falou em valores de indenização, em como foi a defesa, até que me distanciei e não pude ouvir mais.

Naquele dia fui para casa pensando no quanto é bacana ter alguém para ligar quando algo bom acontece. E que maravilhoso é quando o seu amor é o seu amigo. A pessoa para quem você quer ligar, contar as novidades e comemorar. Demonstrar todo alívio, se sentir vitorioso, compartilhar as experiências vividas.

Aquela ligação me tocou. Quantos casais tem no parceiro o seu amigo, confidente e companheiro? Quantos pensam em ligar primeiro para o cônjuge quando tem alguma novidade? Quantos têm a certeza de que o companheiro está torcendo pelo seu sucesso? Quantos confiam que são ouvidos e têm suas falas acolhidas?

As pequenas situações cotidianas revelam a importância da relação amorosa na vida das pessoas. Poder contar com o companheiro é uma delas. Talvez a mais importante. Ter para quem dar a mão, receber um abraço de conforto, uma palavra de estímulo, um colo ou um sorriso é revigorante. Saber que tem alguém que torce por você também.

Por mais que as pessoas vivam juntas, compartilhem o mesmo teto e dividam a cama, cada pessoa tem a sua história, a sua trajetória, o seu jeito de ser, e uma maneira própria de olhar para o relacionamento. Mas de que vale compartilhar a vida com alguém se não é para somar esforços? Se não é para ter um amor, amante, amigo, companheiro na mesma pessoa?

Quantos podem pegar o telefone no meio da rua e falar “amor, ganhamos!”? Sentir que do outro lado da linha há uma vibração positiva, uma voz animada, alguém que ficou feliz por saber que o outro está feliz?

Todo mundo precisa de companheiro que ouve com entusiasmo as conquistas do outro, torce, vibra e incentiva. Seja essa pessoa. E ame alguém que faça o mesmo sobre as suas conquistas. Afinal, em uma relação amorosa saudável, quando um ganha, ganham os dois.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , ,

Só pedir desculpa não vai adiantar

Vez ou outra as pessoas têm comportamentos que ofendem, trazem desentendimentos, geram desavenças e fazem mal ao outro de alguma maneira. Nós mesmos já magoamos quem amamos e já fomos magoados por eles. E, ao passo que não podemos aceitar tudo em nome do amor e não podemos nos colocar em segundo plano em uma relação, vamos aprendendo que não podemos agir sem pensar nas pessoas que fazem parte da nossa trajetória.

Quando escolhemos estar com alguém, caminhar ao seu lado e compartilhar nossa história de vida, precisamos estar atentos aos sentimentos do outro e considerá-los. Amar exige responsabilidade. Não dá para construir uma relação saudável se pensarmos apenas em nós mesmos, se não abrirmos mão de nada, se não levarmos em conta os desejos do outro, se não conciliarmos interesses.

Mesmo considerando o sentimento alheio, validando sua presença em nossa vida e se preocupando com o impacto de suas ações na vida do outro, às vezes o decepcionamos. E pedimos desculpas. Sem dúvida alguma reconhecer um erro ou perceber que o seu comportamento provocou algum mal ao outro é importantíssimo. Mas não é o bastante.

De nada adianta chorar, mandar flores, fazer declarações nas redes sociais, escrever cartas, ou comprar presentes sem mudar o comportamento que causou a mágoa, a tristeza, a ofensa. Sem se colocar no lugar do outro, sem validar o que o outro sentiu e sem se esforçar para agir de uma maneira diferente nos dias seguintes.

Infelizmente, muitas pessoas pedem desculpas, se mostram arrependidas, mas não refletem sobre suas atitudes. Não se esforçam para mudar seus comportamentos e viver de forma harmoniosa. Têm em mente que o outro deve aceitar tudo que fazem, que o amor aceita tudo, que ele é assim e ponto final.

Não estou dizendo que devemos nos tornar um fantoche, fazendo somente o que o outro quer e da maneira que ele deseja. Estou dizendo que compartilhar a vida com alguém exige abrir mão de alguma coisa, chegar a um consenso, conciliar interesses, admitir que o que para nós não têm relevância pode ter para o outro. E fazemos parte disso a partir do momento que aceitamos sua presença em nossa vida e decidimos caminhar ao seu lado.

Temos sempre a opção de andar sozinhos. Ao escolher estar com alguém não podemos fazer apenas o que nos vem à cabeça, não se importar com a opinião do outro e ignorar que nosso comportamento ofendeu. Amar é se afetar pela presença do outro. Deixar de pensar apenas em nós mesmos. Deixar de lado nossa arrogância e prepotência e reconhecer que podemos fazer diferente e melhor.

Se a pessoa que ama está magoada, se sentiu ofendida, ficou triste ou incomodada com qualquer coisa que você tenha feito, por favor, mesmo que não consiga entender o que ela está sentindo, dê atenção ao que está sendo dito. Ela tem direito de se sentir mal, uma vez que foi educada de maneira diferente, pensa diferente, e é diferente. E, se julgar pertinente, faça alguma coisa para mudar.

Só pedir desculpa pode resolver a curto prazo, mas o efeito duradouro vem com a mudança de comportamento, porque o amor é muito mais do que palavras.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: