Arquivo da tag: terapia de casal

Insegurança na relação

O medo de perder o parceiro, a sensação de não estar protegido ou seguro na relação, o medo de não ser suficiente, o receio que o parceiro perca interesse é muito mais comum nos relacionamentos do que imaginamos. A insegurança, embora comum, abala e destrói relações.

Em relacionamentos conjugais, a insegurança vem acompanhada de carência, ciúme e pensamentos fantasiosos. O parceiro inseguro passa a idolatrar ou superestimar o cônjuge, sentindo-se indigno de ser amado ou desejado, o que leva a inúmeras desconfianças e discussões.

A insegurança está prejudicando o seu relacionamento? Saiba que é possível superar essa fase e encontrar meios de lidar com essa situação.

Aos inseguros:

Em primeiro lugar, tenha paciência.

  1. Avalie os seus sentimentos: você está com medo de perder o parceiro? Sente ciúme? Tem desconfiança? Agora reflita: você tem motivos para se sentir assim? O que o seu parceiro fez para te deixar inseguro?
  2. Na maioria das vezes a insegurança vem de situações imaginárias e é importante reconhecer isso.
  3. Entenda quais são seus maiores medos e se eles são reais. Muitas vezes encarar o medo e lidar com ele, faz com que a situação seja tangível e contornável.
  4. Desenvolva a autoestima e autoconfiança. Acredite em você. Desenvolva talentos. Pare de ser muito exigente consigo mesmo. Reconheça suas limitações.
  5. Autoconhecimento é importante para ter autoconfiança. Conheça seus pontos fortes e o que pode ser melhorado, isso te deixará mais confiante e seguro.
  6. Não se compare com outras pessoas. Você é único. E a pessoa mada está com você por essa razão.
  7. Cuide da sua saúde física e mental. Sinta-se bem consigo mesmo, incluindo a sua aparência.
  8. Converse sobre seus sentimentos, diga como se sente em relação ao comportamento do parceiro, pergunte. E ouça com atenção. Não adianta perguntar se não deseja ouvir.
  9. Não crie discussões e brigas baseadas em seu achismo. Sua insegurança pode te levar a imaginar situações inexistentes, culpar o outro por coisas que não aconteceram e levar ao fim da relação.
  10. Se for necessário, procure ajuda profissional. Um psicólogo pode ajudar, pois facilita o autoconhecimento e a identificação de rejeições e traumas do passado que levam a inseguranças no relacionamento presente.

Aos que estão sofrendo pela insegurança da pessoa amada:

  1. Antes de qualquer coisa, tenha paciência.
  2. Identifique as queixas do parceiro. Quais são as reclamações? De que você não tem tempo para a relação? Arranjou novos amigos? Dispensa muito tempo às redes sociais? Está cuidando mais da aparência? Arranjou um novo hobby?
  3. Agora avalie o que pode fazer para diminuir a insegurança: explicar a falta de tempo ou dedicar mais tempo à relação, incentivar que o outro também cuida da aparência, apresentar os novos amigos, conversar sobre os seus planos, contar o que fez durante o dia.
  4. Avalie o que tem contribuído com a insegurança: passou a fazer uma atividade nova? Está sem tempo para a relação? Está cuidando mais da aparência? Arranjou novos amigos?
  5. Diga o que sente, elogie, demonstre seu afeto, deixe claro a importância do relacionamento para a sua vida. Ninguém tem como adivinhar o que você pensa sobre ela se você não disser.
  6. Não minta nem omita informações. Às vezes, por medo de gerar mais ciúme e insegurança, as pessoas deixam de contar tudo que se passa com elas. Encontram alguém na rua e não falam, conhecem alguém e não mencionam, vão a um happy hour e citam os presentes. Até que o outro descobre e isso causa grande confusão.
  7. Tenha atenção a maneira como age. Você estimula ou não a insegurança? Procura explicar as situações fantasiosas ou ainda debocha delas?
  8. Qual é o momento da relação? Namoros recentes, quando as pessoas estão se conhecendo, tendem a ter mais a ciúmes e insegurança. No entanto, a insegurança pode abalar casamentos que já duram anos. E, se estava tudo bem e a insegurança passou a existir, pergunte-se o porquê. O que tem gerado esse medo de perder?
  9. Se for necessário, procure ajuda profissional. Um psicólogo pode ajudar a lidar com esse momento de uma maneira mais saudável.

Ninguém precisa viver sobre pressão, ter medo de falar, esconder o que fez, procurar erros no outro, desconfiar da pessoa amada, ter dúvida do que o outro sente, se sentir desconfortável na relação. Um relacionamento amoroso deve ser feliz, deve trazer bem-estar e alegria.

Relacionamentos, principalmente os longos, passam por momentos de divergências e conflitos. Que terminam. Se a sua insegurança está fazendo mal a você e a relação, procure ajuda. Se você está sofrendo com a insegurança do companheiro, procure ajuda.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , ,

Casais que conversam são mais felizes

Todos nós nos comunicamos o tempo todo, na vida pessoal, profissional ou acadêmica. Mas, sabemos, nem sempre somos compreendidos ou nos fazemos compreender. A comunicação é um desafio e, constantemente, início de vários mal-entendidos, fonte de mágoas, desavenças e afastamento entre as pessoas. Quando se trata de relacionamento amoroso muitos reclamam que o parceiro não entende o que dizem, que não há um momento em família para conversar sobre o dia a dia, que não é compreendido, que não têm apoio.

A verdade é que não aprendemos a nos comunicar e, sim, a falar. Não somos ensinados a identificar nossas necessidades, expor sentimentos, falar para o outro o que sentimos e ouvir sem julgar. Alguns de nós aprendem na marra. Outros procuram ajuda para aprender. Mas muitos não aprendem nunca e quando se dão conta estão vivendo um relacionamento distante, sem diálogo, em que cada tentativa de iniciar uma conversa vira uma discussão.

O que cada um de nós pode fazer para manter uma boa comunicação na relação? Sobre o que podemos conversar? O que devemos fazer para proteger o relacionamento? Como os casais felizes se comunicam? A Psicologia pode ajudar. Ela tem mostrado quais comportamentos melhoram a comunicação conjugal e tornam os relacionamentos mais felizes.

Então vamos lá:

  1. Faça da conversa um hábito

Crie o hábito de conversar, seja no café da manhã ou no jantar. No tempo que tiverem juntos. Pergunte “como foi o seu dia?”, por mais banal e trivial que isso possa parecer, quem não gosta de saber que, ao chegar em casa tem alguém interessado no que você fez e como se sente?

  1. Relembre momentos felizes

Conversar sobre os acontecimentos vividos têm a capacidade de nos fazer sentir mais ligados a quem amamos. Então pegue o álbum de fotos ou comecem a fazer um. Conversem sobre as memórias que construíram juntos: o primeiro beijo, o primeiro encontro, uma festa divertida que foram, um show que ficou marcado, uma viagem inesquecível.

  1. Conte a sua história

Compartilhar a sua história de vida, e ter disponibilidade para conhecer a do outro, é muito importante em uma relação duradoura. Fale da sua infância, da sua família, das suas experiências passadas. As pessoas se sentem mais próximas umas das outras quando conhecem seu passado e compartilham sua bagagem emocional.

  1. Compartilhe e respeite os sentimentos

Falar a respeito dos seus sentimentos faz com que a pessoa amada se sinta mais amparada e aberta a falar dos seus. E, uma vez, que a pessoa que ama fale o que sente cabe a você prestar atenção no que diz e mostrar que ela tem direito de se sentir como está.

  1. Lute pelos seus sonhos

Não coloque no outro a responsabilidade de te fazer feliz. Cabe a você lutar pela concretização dos seus objetivos. Portanto, fale dos seus planos e objetivos, diga onde quer chegar, exponha seus sonhos. Não é justo, de uma hora para outra, tomar decisões que afetam o casal se em nenhum momento conversou sobre isso. Por outro lado, preste atenção no que o outro diz, incentive a buscar seus sonhos e ajude a realizá-los. A relação fica mais viva quando torcemos pela felicidade do outro e o outro pela nossa. Quando o casal se torna uma equipe.

  1. Não dê conselhos que não foram pedidos

Na maioria das vezes, ao falar de um problema, seja ele familiar ou profissional, a pessoa prefere uma demonstração de empatia a um sermão. Ouça. Coloque-se no lugar no outro. Acolha sentimento de quem você ama e, se sua opinião não foi solicitada, não dê. Se colocar como dono da verdade, sair dizendo o que fazer, ainda que seja com a melhor dos intensões, pode trazer discussões e mal-entendidos. Tem hora de falar e de calar.

  1. Demonstre o seu amor

Não importa o tempo que estão juntos. Dizer eu te amo, abraçar e demonstrar afeto nunca é demais. Ao imaginar que o outro já sabe o que sentimos e, por isso, deixar de dizer, afasta o casal. E demonstre nas suas ações cotidianas, pois palavras sem ações não têm muita validade.

Para terminar, eu escrevi alguns textos que falam sobre comunicação e também podem ajudar:

Manter uma boa comunicação não é tão fácil quanto imaginamos, pois depende de conhecermos a nós mesmos e o outro, mas quando há amor vale a pena tentar.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , ,

Trair dá muito trabalho

A infidelidade continua sendo um dos principais problemas dos relacionamentos amorosos, levando a separação de muitos casais e, em alguns casos, aos consultórios para terapia de casal. Conhecemos diversos casos de infidelidade. Ou já vivenciamos algum.

Esta semana uma mulher me contou a causa de sua separação, ocorrida há alguns anos: chegou em casa e viu o seu marido com outra. A outra era a sua melhor amiga, também casada. Os casais saiam juntos, frequentavam a casa um dos outros e ela não desconfiou que estava sendo traída.

Eu imagino a decepção, a raiva, a falta de confiança nas pessoas depois de ser duplamente traída. Mas não é sobre isso que desejo falar. Eu quero falar do trabalho que as pessoas têm para enganar a outra, esconder um relacionamento durante meses ou anos. Da falta de ética que existe em uma relação extraconjugal.

Tenho dificuldade em entender o que leva uma pessoa comprometida a se envolver com outra, porque isso envolve algo que não acontece instantaneamente: escolha. Trair não é como tropeçar no meio da rua. É uma escolha consciente. Tanto é assim que existe até aplicativo para pessoas casadas traírem os seus parceiros.

Muitas pessoas, mesmo amando os seus companheiros e tendo uma relação satisfatória, encontram prazer em viver aventuras. Mas pessoas éticas têm dificuldade em entender isso. Pessoas que levam uma vida reta, que gostam de estar em dia, que têm medo de dar um passo em falso, que apreciam uma vida tranquila, simplesmente não conseguem entender isso.

Nesta mesma semana eu assisti o vídeo “Trair dá muito trabalho”, de Leandro Karnal, um trecho da sua palestra “Ética e o Brasil” e eu adorei. Compreendi a minha incapacidade de compreender a traição. Pessoas verdadeiramente éticas não conseguem trair. E, se traírem, não vão conseguir esconder.

Algumas pessoas não têm talento para dizer que estão em um lugar quando estão em outro, em alugar carro para ir no motel para que sua placa não seja vista, sacar dinheiro ao invés de usar o cartão para que o outro não veja uma compra suspeita, apagar todas as mensagens do whatsapp o tempo todo, criar perfil falso em redes sociais, ir em eventos com amante e ter que fugir das fotos. Trair, como Karnal fala, dá trabalho. E por mais que o tempo passe, há sempre a possibilidade de ser pego.

Algumas pessoas gostam da sorte de um amor tranquilo. Gostam de uma vida tranquila. Enquanto outras gostam da aventura e de adrenalina. Querem sempre mais e nunca estão satisfeitas com o que tem, inclusive no amor. Preferem o jeitinho, o caminho mais curto, a conquista mais fácil, mesmo que na verdade, seja mais trabalhoso, porque viver mentindo e tendo que lembrar das mentiras que inventou não deve ser fácil.

Que tipo de pessoa você é? Quanto vale o relacionamento que você vive? O que você pensa sobre infidelidade?

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , , ,

Demonstre afeto

A maioria das pessoas cresce com a ideia de que no amor é necessário fazer jogos de sedução. Fingem que não esperam ligações, se o crush liga não atende ou atende e diz que tem compromisso, e várias outras simulações que conhecemos bem. Ou já fizemos igual ou já vimos fazer ou já fizeram com a gente.

Jogos de sedução consistem em demonstrar que nada está garantido. E, para isso, o artifício é não mostrar com clareza o que sente. Eu vejo problema nesse jeito de se relacionar, mas não estou aqui para julgar e criticar quem prefere se relacionar dessa maneira. A questão é: com frequência vejo casais que estão juntos há muito tempo agindo dessa maneira.

Uma relação duradoura se mantém viva a medida em que as pessoas demonstram os seus sentimentos. São mais felizes os casais que mostram, de maneira verbal ou não verbal, o amor, a gratidão, a admiração que sentem um pelo outro. Vocês escolheram ficar juntos, já disseram incontáveis vezes “eu te amo”, mas, ainda assim é importante dizer mais uma vez.

E, mais importante ainda do que dizer eu te amo, é ser coerente com as declarações de amor. É dar apoio, demonstrar afeto, ajudar, elogiar, incentivar, agradecer. Diga obrigado(a) pelas pequenas coisas que o outro faz por você, isso significa que você reconhece que ele(a) não é obrigado(a) a fazer nada por você e faz por amor. Por carinho. Por gentileza. Por cuidado.

Cuide do seu relacionamento, peça por favor, diga obrigada, fale bom dia, boa tarde, boa noite. Com beijos, preferencialmente. E não fique esperando que leia seus pensamentos. Entendo quem, depois de um aborrecimento, não quer expor o que está sentindo e discutir o assunto, mas se não encontrar um momento para falar não fique esperando que amarrar a cara fará com que o outro entenda exatamente o que está sentindo.

Você já demonstrou seu amor hoje? Mande uma mensagem, compre um cartão, faça um elogio, abrace, diga eu te amo. Quem não gosta de se sentir valorizado, amparado e amado?

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: