Arquivo da tag: terapia familiar

Relações que esgotam as energias

Quando estamos comprometidos e apaixonados fazemos tudo que está ao nosso alcance para agradar, satisfazer as necessidades e deixar o outro feliz. Mas, para algumas pessoas, nada é suficiente. Estão sempre a reclamar, exigir um pouco mais e, por meio de manipulação, fazem com que o outro se sinta culpado, insuficiente e desvalorizado.

Pode ser que você nunca tenha vivido uma relação assim, mas provavelmente, conhece alguém que passou (ou passa!) por situações como essa. Por que isso acontece? Fomos educados a acreditar que se amamos uma pessoa e ela diz que nos ama, apesar do sofrimento que suas atitudes e comentários provocam, estamos em dívida por não fazer o outro feliz.

Geralmente essas relações não são equilibradas, de um lado tem alguém comprometido e disposto a fazer tudo para manter o outro feliz enquanto do outro lado existe alguém mais preocupado consigo mesmo, pouco disposto a satisfazer as necessidades da pessoa que está ao seu lado.

Mas não é fácil reconhecer que a pessoa com quem convivemos só quer fazer as coisas à sua maneira, independentemente do nosso bem-estar. Que o ser amado não está preocupado em conhecer e valorizar as nossas necessidades nem com a felicidade do relacionamento.

Manipuladores são inteligentes, preservam uma imagem simpática, afável, que dificultam que a pessoa que a pessoa manipulada exponha seus sentimentos, pois corre o risco de ser desacreditada. Portanto, mais do que prestar atenção nos comportamentos do parceiro, saiba como se sente em relação a eles.

Sente-se sufocado? Sempre triste? Sem energia? Com medo de desagradar? Preste atenção nas suas emoções. Observe os seus sentimentos. Em uma situação de tensão tente se colocar no lugar do outro e responda: o que você diria, quais escolhas faria? Existe dois pesos e duas medidas?

Uma relação cheia de manipulações gera esgotamento emocional e não contribui para o bem-estar físico e mental. Se a pessoa com quem você está suga as suas energias, procure ajuda profissional. O amor, ainda que tenha momentos difíceis, precisa ser bom.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , ,

A pulga atrás da orelha

Esta semana assisti uma entrevista em que a frase de uma psicóloga, especializada em terapia familiar e conjugal, não saiu da minha cabeça: “quando a pessoa está com uma pulga atrás da orelha, de fato aquela pulga está lá”. E explicou que, ainda que o cônjuge não esteja traindo e nada tenha feito de errado, desconfiar do outro é sinal de que as coisas não vão bem.

Uma vez que a gente desconfia não tem jeito: os sentimentos de frustração, decepção, raiva e medo se revelam. Mas o que fazer diante de uma desconfiança, de um achismo, de um ciúme? Geralmente as pessoas ficam remoendo tudo que estão sentindo, pois não sabem nem como conversar com o parceiro sobre o que estão sentindo. Ou explodem causando conflitos, brigas e desentendimentos.

Não ter liberdade para abordar seus sentimentos de forma clara, segundo a psicóloga que assisti, é uma pulga. Não poder falar que sente ciúme de alguém é outra pulga. Não poder perguntar quem é a pessoa que adicionou no facebook é mais uma pulga. Assim como cada um dos sentimentos negativos que corroem a pessoa por dentro e a impede de compartilhar por medo da reação do outro.

É claro que, com a proliferação das redes sociais e meios de comunicação, as oportunidades de conhecer alguém aumentam e o número de infiéis também. E, ainda que não signifique que todas as pessoas estão em busca de novas aventuras e traem seus parceiros, é normal sentir ciúmes, sim. Das pessoas que você não conhece, de novas amizades, de comportamentos diferentes.

Não é normal pedir a senha do outro, invadir a privacidade, proibir de conversar com as pessoas e ter amigos. Isso já é desrespeito, loucura, agressão. Mas mesmo os mais respeitosos e sãos sentem ciúmes vez ou outra e ficam inseguros. São humanos, portanto. Mas é importante analisar os motivos da insegurança e… conversar com o companheiro – e conversar é diferente de ter acessos de raiva, brigar, gritar e causar tumulto.

Lembra da pulga? Enquanto você não conversar ela continuará lá e, independente de ter existido uma traição, uma mentira, uma deslealdade, na sua cabeça ela continuará existindo. E será suficiente para atrapalhar a sua relação amorosa.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: