Arquivo da tag: viver a dois

Amar não é precisar

Quando se trata de relacionamento amoroso são muitas as histórias. Casais que vivem juntos há anos, outros que vivem separando e voltando, pessoas que casam e separam com facilidade, famílias com filhos de casamentos anteriores, casais que vivem em casas separadas, outros que convivem com um parceiro que vive viajando, uns que sonham com filhos, outros que não querem pensar em ser pais.

Cada um de nós é um mundo inteiro. O que torna cada relacionamento diferente um do outro. Com regras, rotinas, hábitos e planos próprios. Desde que todos estejam felizes e reconheçam um pouco de cada um na relação que construíram, que não tenham concordado com determinadas situações por medo de desagradar ou serem abandonados, não há nenhum problema.

Em uma relação longa é natural que nem sempre as decisões satisfaçam a ambos, que haja desacordos e em alguns momentos seja necessário discutir as diferenças. Infelizmente algumas pessoas não conseguem reconhecer, aceitar e valorizar o que sentem e deixam suas necessidades afetivas em segundo plano por medo de perder e terminar a relação.

Quem ama se preocupa com o relacionamento, não deseja magoar o outro nem fazê-lo sofrer. O que é diferente de viver como se a qualquer momento a relação fosse ter um ponto final, como se tudo que fizer coloque o relacionamento em risco e tenha que aceitar tudo para manter a relação.

Viver a dois é uma coisa boa. O amor pode trazer satisfação pessoal e momentos de alegria, mas ninguém precisa estar em uma relação para ser feliz. Estar com alguém não é garantia de felicidade. Se as pessoas não estão satisfeitas consigo mesmas antes de se apaixonar ou consideram que só serão felizes com um par, provavelmente estarão mais suscetíveis a relações abusivas.

Aprender a reconhecer as próprias emoções e lidar com elas é muito importante para que cada um descubra o seu valor, entenda que merece ser feliz e se respeite para se fazer respeitar. Você não tem que estar preso a alguém por acreditar que não pode ser feliz sozinho.

A maior felicidade em um relacionamento é reconhecer que não precisa do outro e estar preso por vontade, por amor, por prazer. Para fazer o outro feliz é preciso estar feliz também.

linhaassinatura_GISELI

Anúncios
Etiquetado , , , , , , ,

Eu não queria, mas…

Lembro com perfeição do dia em que nos conhecemos (e o achei super sério!), do dia em que esbarramos no banco enquanto íamos pagar contas (cena digna de novela!), do dia em que me convidou para sair (e o achei tão cara de pau!), do dia em que resolvi aceitar seu convite, do dia em saímos pela primeira vez.

Protagonizamos muitas cenas. Lindas, divertidas, alegres, cômicas, inflamadas, românticas, singelas. Só não sei em qual delas eu, tão dona de mim, não resisti e me entreguei. Hoje, aonde quer que eu vá, eu não quero ir sozinha – mesmo que saiba o caminho. E, quando não sei, tenho certeza de que será mais divertido me perder, para logo me encontrar, em sua companhia.

Você fez com que eu perdesse o medo. Medo de me envolver. Medo de amar. Medo de me entregar. Medo de me comprometer. Medo de sofrer. Um monte de “pequenos” medos que juntos, eram um só: medo de viver. Aprendi que evitar a dor e o sofrimento é possível, sim, mas dessa forma evitamos, também, o prazer e a felicidade.

Não sei o momento exato em que meu coração baixou a guarda e isso já não importa. Importa que gosto da sua voz. Das suas palavras. Do seu bom humor. Do seu senso de responsabilidade. Do seu sorriso. Da sua mania de organização. Do seu romantismo nada convencional. Da sua inteligência. Do seu beijo. Dos verbos que conjuga no plural. Da maneira como me acorda. Da forma como trata os amigos. Do modo educado e firme com que fala com as pessoas. Da sua objetividade. Da sua praticidade. Da sua espontaneidade.

Mas sabe do que eu mais gosto? Jura que não vai rir? Eu gosto mesmo é da pessoa que sou quando estou com você. De qualquer jeito. Do jeito que for. Porque você me entende. E me aceita. Bagunçada. Estabanada. Desastrada. Bem humorada. Mal humorada. Tepeêmica. Indecisa. Decidida. Implicante. Animada. Cansada. Preguiçosa. Ignorante. Intelectual. Sensata. Insensata. Equilibrada. Desequilibrada. Alegre. Triste. Menina. Mulher.

Ao seu lado eu posso ser eu mesma. De salto alto, sandálias havainas ou descalça. Penteada ou com cabelos desgrenhados. De biquíni ou vestido longo. Calma ou nervosa. Lendo Saramago ou revista Caras. Falando feito uma louca desvairada ou concentrada feito uma autista. Há maior felicidade de ser quem se é, sem medo de parecer ridículo?

Com você aprendi que não existe metade da laranja, tampa da panela, príncipe encantado, alma gêmea, mas, sim, pessoas que se completam – e se somam. Que decidem estar juntas, acreditam que se relacionar é possível, são verdadeiras com os seus sentimentos e se respeitam.

Por tudo isso, repenso a vida, a maneira como vejo o mundo, o modo com que me relaciono com as pessoas e fico com uma vontade enorme de ser cada dia melhor, porque você merece que eu seja o melhor de mim mesma. O que pode ser isso, se não o amor?

…agora quero cada dia mais!

P.S.: Esta crônica foi publicada no dia 20 de outubro de 2009, no Mulé Burra, site em que escrevia na época. Sete anos se passaram, a paixão virou amor, o namoro virou casamento e eu estou aqui para afirmar que o amor sempre vale a pena.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,

Fique onde você é querido

Somos constantemente estimulados a abandonar relações amorosas que nos fazem mal. E concordamos que precisamos nos desfazer de pessoas tóxicas, desrespeitosas, que causam dor e sofrimento. É preciso encontrar forças para seguir adiante e deixar para trás o que não nos serve.

Mas e as pessoas que nos valorizam, respeitam e fazem de tudo para nos fazer felizes? Não raro tem quem diga que é perda de tempo investir em uma relação, que se as coisas estão muito boas é sinal de algum problema está por vir, que a vida é melhor quando estamos sozinhos e relacionamentos amorosos são sempre complicados.

Quando somos jovens alguns defendem que precisamos curtir a vida antes de um envolvimento amoroso mais sério. Quando somos mais velhos dizem a hora de amar já passou. A verdade é que independente da sua idade sempre haverá quem diga que ela não é a ideal para amar e que relacionamentos amorosos não valem a pena.

Em um mundo onde as demonstrações de amor são consideradas ridículas, muitas pessoas se esforçam para não se apegar e a desconfiança em relação aos sentimentos dos outros é constante, encontrar alguém que insiste em ter a nossa presença é coisa rara. Que deve ser valorizada. E retribuída.

Ninguém completa ninguém, é verdade. Mas sempre há alguém que nos deixa alegre, feliz e tem prazer em estar na nossa companhia. Que demonstra carinho e está ao nosso lado – seja para ouvir lamúrias ou dar altas gargalhadas. Que acalma nosso coração, faz com que acreditemos em nós mesmos e nos estimula a lutar pelos nossos sonhos.

Precisamos nos desfazer das pessoas que nos fazem mal. Mas, sobretudo, valorizar as que nos fazem bem. Fique onde você é querido. Compartilhe momentos com quem acredita em você, quer a sua presença, se esforça para estar ao seu lado, fica feliz com a sua vitória e demonstra o que sente.

Abra o coração para quem te quer bem.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,

Ninguém é obrigado a casar

Quando mais nova não gostava de cerimônias de casamento. Mas a maturidade me fez enxergar o valor e a beleza dos rituais, das festas, dos marcos. E cerimônia de casamento é isso: um rito de passagem. Além de uma ótima oportunidade de reunir pessoas queridas, de perto ou de longe, compartilhar alegria e se divertir.

Ando um tanto emocional, acreditando que vale mais aproveitar o momento, celebrar a vida, do que poupar todo o dinheiro gasto em uma festa dessas. Deve ser emocionante olhar o álbum de fotografias anos depois, rever as cenas mesmo que na memória, contar aos netos e bisnetos os momentos vividos.

Até hoje não conheci ninguém que tenha se arrependido de fazer festa de casamento. Mesmo as pessoas que se separaram. É um momento da vida. Uma realização. Porque, convenhamos, encontrar alguém com quem a gente tenha interesse em compartilhar a vida é coisa rara. Que nos faça ter vontade de gastar um dinheiro considerável e dispor de tempo para ver tantos detalhes mais ainda.

No entanto, ninguém é obrigado a casar. Nem fazer festa. Cada pessoa tem o direito de estar só ou acompanhada e, se acompanhada, escolher a melhor forma de comemorar ou não o seu amor. Hoje em dia temos liberdade. De casar no cartório ou na igreja. De manhã, de tarde ou de noite. Na cidade ou numa ilha deserta. De adotar o sobrenome um do outro ou não. Ou simplesmente pegar suas coisas e juntar com as do outro.

É justamente a liberdade que temos hoje de estar ou não com alguém que me deixa um tanto enfurecida com algumas cerimônias de casamento. Parece que por mais que os tempos evoluam o casamento só serve a mulher, só ela se interessa pelo matrimônio, está desesperada para casar e o homem está ali obrigado. Pois bem: não está.

Já escrevi sobre isso, mas estou escrevendo novamente, simplesmente porque não consigo entender o que as mensagens de alguns casamentos querem dizer. Damas de honra e pajens com plaquinhas “não corra, ela está linda”, “corre, ainda dá tempo de fugir”, por exemplo, são deprimentes. Não acho nem um pouco engraçado. O noivo foi ameaçado de morte para aceitar casar?

Topos de bolo com os noivos sendo carregados, puxados ou amarrados e coisas do gênero eu acho ridículo. Para dizer o mínimo. Os dizeres “Game over”, em camisas, taças, copos, canecas e seja lá onde for, também são de extremo mal gosto. A vida não acaba quando as pessoas casam. Ou não deveria.

Quem aceitou casar, aceitou porque quis. Não faz o menor sentido fazer piada, ridicularizar a cerimônia e a noiva. Existem maneiras engraçadas e respeitosas de comemorar o dia, se divertir, dar risadas e eternizar o momento.

Portanto, por favor, parem. Simplesmente parem. Sei que ninguém me perguntou nada, mas não está bonito não.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , ,

Por um casamento feliz

A definição de felicidade varia de pessoa para pessoa, claro. A de felicidade no amor também. Cada casal tem o seu ideal imaginário do que é um casamento feliz. Ou: cada um dos cônjuges tem sua própria definição do que é ser feliz e como almejá-la, o que, neste caso, pode gerar uma insatisfação generalizada se os anseios forem muito diferentes.

Confesso que não tenho pretensão de dar uma solução, encontrar uma resposta ou dar uma equação milagrosa para que todos sejam felizes e satisfeitos com os seus relacionamentos amorosos. Até porque, no dia em que eu descobrir a fórmula do amor, escrevo um livro e ganho muito dinheiro com ele.

Escrevo agora pelo incômodo que sinto ao ouvir que os casamentos de antigamente que eram bons, que hoje em dia não existe tolerância, as pessoas se separam por qualquer motivo, só querem o lado bom da vida e desfazem relacionamentos com mais facilidade.

Das histórias de casamentos antigos que ouço, percebo que muitas pessoas estavam conformadas, não felizes. Alguns de nossos avós ou pais não podiam se separar, seja lá por quais razões, mas sofreram muito em suas relações e teriam sido mais felizes se tivessem opção de seguir a vida longe um do outro.

Hoje queremos o melhor da vida, dos relacionamentos, de nós mesmos. A complexidade da vida moderna e a mudança dos papeis sociais exigem novos acordos, novos arranjos, novos consensos. E isso não significa que os casamentos de hoje em dia estejam piores. Acredito que estão mais autênticos e verdadeiros.

Uma relação amorosa exige comprometimento de ambos e, claro, vai contar com momentos bons e ruins. Mas ela pode ser boa, se ao invés de se basear no relacionamento alheio, nos livros de autoajuda, nos conselhos de milhares de pessoas, o casal estabelecer a sua própria equação, com base em negociações e ajustes dos desejos de cada um.

É preciso enxergar fraquezas e fortalezas da relação e entender o que pode ou não fazer você feliz no seu casamento. E a felicidade depende de cuidado. Não transformar pequenas divergências em brigas, não destratar o outro, se preocupar com as palavras ditas. Estar junto há muito tempo não dá o direito de falar de qualquer jeito um com o outro.

Se você deseja um casamento feliz precisa construí-lo todos os dias. Com dedicação e amor.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , ,
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: