O poder do silêncio

A comunicação é fundamental para o ser humano, através dela podemos interagir com as pessoas com as quais nos relacionamentos – seja na vida pessoal ou profissional – construir vínculos, estabelecer relações, chegar em acordos, expressar o que sentimos.

No entanto, saber se comunicar não é fácil e estamos aprendendo constantemente.
Saber se comunicar, no entanto, não é tarefa fácil. Somos educados a falar, a ter razão, a impor nossas verdades a identificar sempre “o certo” e “o errado”. E quando mencionamos a comunicação pensamos imediatamente no ato de falar, sem considerar que a escuta é um dos processos mais importantes para a eficácia de qualquer comunicação.

Quantas vezes ao dia sua fala é interrompida? Você já ouviu diversos conselhos quando só queria desabafar? Já desistiu de falar alguma coisa, pois o outro tinha sempre alguma coisa a complementar? Em um a reunião de trabalho já teve sua fala cortada? Estava passando por um momento difícil e ao falar o que acontecia o outro relatou momentos iguais ou piores pelos quais passou?

Escutar ativamente não é fácil. Temos sempre uma velha opinião formada sobre tudo, múltiplas experiências, vontade expor as nossas vivências e dar conselhos na tentativa de ajudar. O que, em muitos momentos, nos faz falar ao invés de calar.

Ignoramos, constantemente, que o silêncio pode ser poderoso para estabelecer confiança, proximidade e respeito aos sentimentos do outro. Muitas vezes, ao expor uma dificuldade, relatar uma desavença, falar de um problema de saúde ou mencionar um problema familiar, as pessoas não estão buscando opiniões, conselhos ou soluções. Estão buscando apoio, colo e acolhimento., que pode ser dado em silêncio e com carinho.

Parece simples, mas não é. Dar conselhos e sugestões só quando forem pedidos e entender que a dor e o problema do outro, embora te entristeça, não pertencem a você é muito difícil, especialmente, quando se trata de nossos familiares, amigos e pessoas próximas. Na ânsia de ajudar corremos o risco de afastar as pessoas que mais amamos, que podem não se sentir á vontade de falar com quem não sabe apenas escutar.

Ter um olhar atento ao outro e demonstrar genuíno interesse em conhecer seus anseios, medos, problemas, alegrias, expectativas é muito importante para qualquer relacionamento. Assim como tentar conhecer os detalhes da situação que nos ajudem a nos colocar no lugar do outro.

Quer mesmo ajudar? Pergunte como você pode fazer isso. E escute. Apenas escute. Doe seu silêncio, seu tempo e seu amor para ser os ouvidos que muitos não têm quando precisam ter com quem falar.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , ,

Casais que conversam são mais felizes

Todos nós nos comunicamos o tempo todo, na vida pessoal, profissional ou acadêmica. Mas, sabemos, nem sempre somos compreendidos ou nos fazemos compreender. A comunicação é um desafio e, constantemente, início de vários mal-entendidos, fonte de mágoas, desavenças e afastamento entre as pessoas. Quando se trata de relacionamento amoroso muitos reclamam que o parceiro não entende o que dizem, que não há um momento em família para conversar sobre o dia a dia, que não é compreendido, que não têm apoio.

A verdade é que não aprendemos a nos comunicar e, sim, a falar. Não somos ensinados a identificar nossas necessidades, expor sentimentos, falar para o outro o que sentimos e ouvir sem julgar. Alguns de nós aprendem na marra. Outros procuram ajuda para aprender. Mas muitos não aprendem nunca e quando se dão conta estão vivendo um relacionamento distante, sem diálogo, em que cada tentativa de iniciar uma conversa vira uma discussão.

O que cada um de nós pode fazer para manter uma boa comunicação na relação? Sobre o que podemos conversar? O que devemos fazer para proteger o relacionamento? Como os casais felizes se comunicam? A Psicologia pode ajudar. Ela tem mostrado quais comportamentos melhoram a comunicação conjugal e tornam os relacionamentos mais felizes.

Então vamos lá:

  1. Faça da conversa um hábito

Crie o hábito de conversar, seja no café da manhã ou no jantar. No tempo que tiverem juntos. Pergunte “como foi o seu dia?”, por mais banal e trivial que isso possa parecer, quem não gosta de saber que, ao chegar em casa tem alguém interessado no que você fez e como se sente?

  1. Relembre momentos felizes

Conversar sobre os acontecimentos vividos têm a capacidade de nos fazer sentir mais ligados a quem amamos. Então pegue o álbum de fotos ou comecem a fazer um. Conversem sobre as memórias que construíram juntos: o primeiro beijo, o primeiro encontro, uma festa divertida que foram, um show que ficou marcado, uma viagem inesquecível.

  1. Conte a sua história

Compartilhar a sua história de vida, e ter disponibilidade para conhecer a do outro, é muito importante em uma relação duradoura. Fale da sua infância, da sua família, das suas experiências passadas. As pessoas se sentem mais próximas umas das outras quando conhecem seu passado e compartilham sua bagagem emocional.

  1. Compartilhe e respeite os sentimentos

Falar a respeito dos seus sentimentos faz com que a pessoa amada se sinta mais amparada e aberta a falar dos seus. E, uma vez, que a pessoa que ama fale o que sente cabe a você prestar atenção no que diz e mostrar que ela tem direito de se sentir como está.

  1. Lute pelos seus sonhos

Não coloque no outro a responsabilidade de te fazer feliz. Cabe a você lutar pela concretização dos seus objetivos. Portanto, fale dos seus planos e objetivos, diga onde quer chegar, exponha seus sonhos. Não é justo, de uma hora para outra, tomar decisões que afetam o casal se em nenhum momento conversou sobre isso. Por outro lado, preste atenção no que o outro diz, incentive a buscar seus sonhos e ajude a realizá-los. A relação fica mais viva quando torcemos pela felicidade do outro e o outro pela nossa. Quando o casal se torna uma equipe.

  1. Não dê conselhos que não foram pedidos

Na maioria das vezes, ao falar de um problema, seja ele familiar ou profissional, a pessoa prefere uma demonstração de empatia a um sermão. Ouça. Coloque-se no lugar no outro. Acolha sentimento de quem você ama e, se sua opinião não foi solicitada, não dê. Se colocar como dono da verdade, sair dizendo o que fazer, ainda que seja com a melhor dos intensões, pode trazer discussões e mal-entendidos. Tem hora de falar e de calar.

  1. Demonstre o seu amor

Não importa o tempo que estão juntos. Dizer eu te amo, abraçar e demonstrar afeto nunca é demais. Ao imaginar que o outro já sabe o que sentimos e, por isso, deixar de dizer, afasta o casal. E demonstre nas suas ações cotidianas, pois palavras sem ações não têm muita validade.

Para terminar, eu escrevi alguns textos que falam sobre comunicação e também podem ajudar:

Manter uma boa comunicação não é tão fácil quanto imaginamos, pois depende de conhecermos a nós mesmos e o outro, mas quando há amor vale a pena tentar.

linhaassinatura_GISELI

Etiquetado , , , , , , , ,

Quem ama cuida

Sempre defenderei que o amor é bom, mas não posso negar que é, também, uma fonte inesgotável de deveres e responsabilidades. Quem ama cuida, protege, se responsabiliza. Eu não sei como seria a vida se fôssemos incapazes de amar, mas sei que a vida de quem ama é cheia de afazeres e compromissos.

Quando um bebê nasce é uma festa, mas quando o seu bebê nasce, ele é o seu mundo. Um mundo que ocupa 24 horas do seu dia. Que não se alimenta sozinho, nem se troca, nem toma banho. E, ainda que exaustos, passando noites insones, não sabemos como podemos amar mais aquela pessoinha, aquela parte de nós. Isso é amor.

É chato ir em reunião escolar? Na maioria das vezes é. Mas você precisa saber o rendimento escolar do filho e como se relaciona com as os outros no ambiente acadêmico e, por isso mesmo, ajusta a agenda, dá um jeito e está lá. E quase morre de orgulho se um profissional o elogia. Isso é amor.

Muitos pais, mesmo depois de um dia exaustivo, levam e pegam o filho na festa com medo de que ele vá embora sozinho, pegue carona com amigos embriagados ou chame um motorista de aplicativo tarde da noite. Isso é amor.

Quando o pai, mãe, filho, cônjuge, irmão ou amigo estão doentes, você se preocupa em fazer a sua comida preferida, comprar um livro, baixar uma série, mandar mensagens de apoio ou qualquer outra coisa para fazer o dia dela melhor. Isso é amor.

Quando a gente ama a gente cuida, se entrega, se preocupa. Às vezes tira forças de onde nem sabia que existia para fazer bem a pessoa que depende de você. Ou depende naquele momento. Por isso mesmo, o amor nos fortalece – e nos torna humanos.

Amor não é foto de porta-retrato, festas, presentes, beijos e abraços. Amor é doação e responsabilidade. É providenciar o que comer, o que vestir, em que escola estudar, deixar de comprar algo para você para comprar para o outro, é ligar para saber se está tudo bem, acompanhar no médico, anotar os horários dos remédios.

Amar é se preocupar com outra pessoa além de você mesmo. E, ainda que dê trabalho e às vezes canse, é a melhor coisa que existe na vida, pois só amando somos amados. E só amando descobrimos o tamanho da nossa existência.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , ,

Muito além do peso

Assisti, recentemente, o documentário “Muito além do peso” (Brasil, 2012), dirigido por Estela Renner que aponta a epidemia de obesidade infantil e, desde então estou recomendando para todo mundo. O filme é impressionante. E necessário.

Conhecer a história de várias crianças que apresentam problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2 em decorrência da má alimentação é chocante. Saber que há muitas outras na mesma situação é desesperador. E, diante disso, o filme nos leva a refletir sobre o papel e envolvimento do governo, dos pais, das escolas, da publicidade e da indústria alimentícia em relação a obesidade.

O filme contextualiza de forma aspectos importantes da dinâmica político-econômica na obesidade infantil. E não dá para ignorar que ter o que comer todos os dias, no país que vivemos, é um privilégio, mas comer adequadamente é um luxo. Há ignorância em relação a alimentação? Muita. Mas há falta de tempo e dinheiro para preparar lanches saudáveis para os filhos, há refeitórios escolares com comida industrializadas e cantinas cheias de biscoitos, salgados e refrigerantes. É comida ruim para todo lado.

Embora fale dos problemas da má alimentação para as crianças – que terão consequências por toda a vida – serve para qualquer um de nós que, inevitavelmente, precisa comer todos os dias. Fazemos as melhores escolhas? Sabemos o que estamos ingerindo? Preparamos nosso alimento? Oferecemos opções saudáveis para a nossa família?

Nem todas as pessoas podem escolher o que comer, muitas nem sequer comem todos os dias. Nós, que podemos, estamos nutrindo nosso corpo ou o envenenando? O que comemos hoje influenciará na nossa saúde. Diretamente.

“Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio”

Hipócrates

Crônica publicada no blog da autora em 1 de outubro de 2019.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , , ,

Lavando roupa suja nas redes sociais

A maioria das pessoas utiliza redes sociais e, provavelmente, já se deparou com desabafos de todo tipo. Há uma quantidade enorme de indiretas, de gente que se acha alvo de inveja, de críticas de todo tipo e, não raro, publicações que sabemos que são para o cônjuge, namorado ou até o crush.

Eu não tenho nada com isso, claro. E, como diz o ditado, se conselho fosse bom ninguém dava, vendia. Mas vou dar assim mesmo: não seja essa pessoa. Falando em ditado popular (adoro e conheço muitos!), roupa suja se lava em casa. É provável que essas publicações tragam ainda mais problemas para a relação.

Além disso: nem todos torcem pela sua felicidade. Há pessoas que pela frente demostram apoio e por trás fazem críticas e, mesmo aquelas que gostam de você não podem solucionar seus problemas. Cuidar do seu relacionamento e resolver as dificuldades é uma delas.

Quer desabafar? Procure um familiar ou amigo de confiança que realmente se interesse pelo seu bem-estar, que irá ouvir suas dificuldades e prestará o apoio que precisa. Nas redes sociais as pessoas nem têm tempo. E muitas vezes estão ali só para saber da vida alheia. Preserve-se.

Já vi muita gente fazer publicações sobre as crises amorosas e, tempo depois, publicar fotos lindas e românticas. Sem contar as pessoas que falam mal do ex e depois reatam o relacionamento. Antes de publicar alguma coisa negativa sobre o seu relacionamento nas redes sociais, respire. E reflita: é necessário? Vai ajudar em alguma coisa? Vou solucionar o problema? O outro vai se sentir invadido?

Se as coisas andam tão mal que a vontade de publicar nas redes sociais e dizer ao mundo o que está acontecendo é grande, vale pensar se não é hora de buscar ajuda profissional. Ou terminar a relação. Quando um relacionamento é saudável as pessoas querem fazer declarações, exibir fotos, não ficar enviando indiretas (ou diretas mesmo!), reclamando e brigando aos olhos de todo mundo.

linhaassinatura_GISELI

 

Etiquetado , , , , , ,
%d blogueiros gostam disto: